Odebrecht pagou U$ 7,6 mi de propina por empréstimo de U$ 3 bi do BNDES

Coluna do Estadão

15 de setembro de 2016 | 10h39

Foto: Divulgação PF

Foto: Divulgação PF

A oitava fase da Operação Acrônimo descobriu que a Odebrecht pagou US$ 7,6 milhões para uma empresa de consultoria de um ex-dirogente do BNDES em troca de conseguir com o banco contratos que somam US$ 3 bilhões.

A empresa DM Desenvolvimento de Negócios Internacionais foi aberta um mês depois de Álvaro Luiz Vereda Oliveira ter deixado o Ministério da Fazenda. Entre julho de 2010 a novembro de 2013 ele ocupou importantes funções no BNDES, Fazenda e no Ministério das Relações Exteriores.

Os contratos com a DM foram assinados por ele e pelo diretor da Odebrecht, João Carlos Mariz Nogueira, para obras na República Dominicana, Angola, Cuba, Panamá, Gana e México. No caso de Cuba, os recursos foram para construção do Porto Mariel, obra incentivada pelo ex-presidente Lula.

OUTRO LADO

A DM Desenvolvimento de Negócios Internacionais nega que tenha participado de qualquer atividade ilegal ou criminosa. Criada em 2010, a DM é uma empresa de consultoria que presta serviços técnicos para vários clientes com base na experiência dos seus sócios, inclusive, do seu sócio-fundador, Álvaro Luiz Vereda Oliveira,  com mais de 15 anos de experiência.

(Andreza Matais e Fábio Fabrini)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.