Obra de casa de campo leva Lula à Justiça

Obra de casa de campo leva Lula à Justiça

Luiza Pollo

18 Dezembro 2017 | 05h30

 

 

Denunciado pelo Ministério Público por lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia, o ex-presidente Lula voltou a ter problemas com outra propriedade rural. A prefeitura de São Bernardo do Campo multou o petista em R$ 43 mil e embargou a construção de uma casa de 380 m² num terreno dele vizinho ao sítio Los Fubangos, imóvel que também pertence ao ex-presidente. Os fiscais constataram irregularidades ambientais. Lula recorreu da decisão, no último dia 11, ao TJ de São Paulo, que ainda não se manifestou. A obra está paralisada. (Ao contrário do que a Coluna informou anteriormente, no caso de Atibaia ainda não há sentença do juiz Sérgio Moro)

Lar doce lar. A área onde a casa está sendo construída tem 20,5 mil m², foi comprada por Lula em 2016 por R$ 545 mil, quando o sítio em Atibaia já havia sido descoberto pela Lava Jato. O Los Fubangos foi adquirido por Lula na década de 90.

Com a palavra. A assessoria de Lula diz que a prefeitura adotou critérios utilizados para imóveis urbanos numa área rural. Gil Fonseca, secretário de Meio Ambiente, afirma que “o projeto em execução não estava de acordo com o plano aprovado pela prefeitura”.

Pressão. Parlamentares tentam convencer o presidente do PMDB, Romero Jucá, a adiar a convenção nacional do partido marcada para amanhã. Entre eles, o presidente do Senado, Eunício Oliveira. Jucá resiste.

Pauta bomba. Peemedebistas alegam que a agenda vai gerar guerra interna desnecessária. Jucá quer discutir como o partido irá dividir o fundo eleitoral entre os deputados que buscam a reeleição e os demais.

Tudo igual. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, pediu ao PSDB para que informe aos institutos de pesquisa que ele é pré-candidato ao Planalto. Está incomodado em ver apenas Geraldo Alckmin nos testes.

Agora vai. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, garantiu a interlocutores que em 2018 vota o projeto que acaba com os salários acima do teto e também o de abuso de autoridade.

Lobby. Maia confidenciou que o primeiro não andou a pedido da presidente do STF, Cármen Lúcia, e o segundo, de Raquel Dodge (PGR).

Sinai Particulares: Rodrigo Maia, presidente da Câmara; por Kleber Sales

 

Virtual. Comissão especial da Câmara analisa nesta terça relatório do deputado Expedito Neto (PSD-RO) que proíbe o bitcoin no País. Há um movimento para derrubar o parecer.

Melhor deixar. O deputado Áureo Ribeiro (SD-RJ) vai propor a regulamentação da moeda virtual para evitar que seja usada de forma clandestina até para pagar despesas eleitorais.

Tô dentro. Para entender o negócio, Ribeiro comprou US$ 50 de bitcoin em junho. Com a supervalorização, hoje tem US$ 300. Seu colega Alexandre Valle (PP-RJ) aplicou US$ 250 e agora tem mil dólares.

CLICK. O deputado Aelton Freitas (PR/MG), à esq, se fantasiou de gângster numa festa em Goiânia. Usou até flor vermelha na lapela, marca do Poderoso Chefão.

Foto: arquivo pessoal

#ForaJabuti. O governo estuda vetos ao projeto aprovado pelo Congresso que prevê o pagamento da dívida dos agricultores com a Previdência em até 20 anos. A equipe econômica teme que alguns artigos ampliem demais o benefício.

Bem explicadinho. A preocupação da Fazenda é deixar claro na lei que somente créditos fiscais de até cinco anos poderão ser utilizados para abater as dívidas do Funrural.

PRONTO, FALEI!

Foto: Wilton Júnior/Estadão

“Espero que, em 2019, a embaixada do Brasil, por ordem do novo presidente, vá para Israel”, DO SENADOR MAGNO MALTA (PR-ES), confundindo o nome do país com o da cidade de Jerusalém.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão