Objetivo da Sépsis foi fechar o cerco ao PMDB

Objetivo da Sépsis foi fechar o cerco ao PMDB

-

Luiza Pollo

02 de julho de 2016 | 05h00

Agentes da PF durante a Operação Custo Brasil, em São Paulo. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Agentes da PF durante a Operação Custo Brasil, em São Paulo. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Quem acompanha por dentro a Operação Sépsis diz que as ações de ontem tiveram como objetivo recolher documentos que possam embasar um futuro pedido de prisão de peemedebistas graúdos. Quatro senadores, além de Eduardo Cunha, foram acusados nas delações premiadas que motivaram a operação, mas curiosamente não foram alvo das ações autorizadas por Teori Zavascki, relator da Lava Jato. Um procurador explica que, “por enquanto”, a operação está de bom tamanho. Mas avisa que o próximo passo será “refiná-la”.

Um dos indicativos de que a Operação Sépsis está apenas na sua primeira fase é o número de mandados de busca e apreensão. São 19 no total.

Siga a Coluna do Estadão:
No Twitter: @colunadoestadao
No Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.