O ‘guru ambiental’ de Bolsonaro e a crise das queimadas

O ‘guru ambiental’ de Bolsonaro e a crise das queimadas

Coluna do Estadão

14 de julho de 2020 | 05h00

Evaristo de Miranda, pesquisador e chefe-geral da Embrapa Territorial, cotado para o ministério do Meio Ambiente Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Espécie de “guru ambiental” de Jair Bolsonaro, o pesquisador da Embrapa Evaristo de Miranda disparou em redes texto questionando dados sobre queimadas na Amazônia: “Onde há fumaça, nem sempre há fogo”, foi reação à entrevista ao Estadão de Walter Schalka, executivo do Grupo Suzano, crítico à política ambiental do governo (“caminhamos para o precipício ambiental”). Miranda disse que algumas narrativas “ignoram fatos”. A “resposta” dele pegou mal entre governistas que sabem da importância de reconhecer a crise do meio ambiente no País.

Torce… “Essa fumaça sem fogo e sem ciência não ajuda na busca de soluções, por melhores que sejam as intenções”, diz Miranda, que é técnico e tem certo reconhecimento internacional por suas publicações.

…retorce. Com base no Inpe, ele diz ter ocorrido redução nas queimadas (comparando de janeiro ao começo de julho de 2020 com o mesmo período de 2019). Mas os cálculos são muito controversos.

Olha… Carlos Rittl, pesquisador sênior visitante do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade de Potsdam (Alemanha), chamou o recorte temporal de “enviesado”: inclui meses em que, em geral, há muito menos incêndios, por causa das chuvas.

…ali. A expectativa, segundo Rittl, é de haver ainda mais incêndios neste ano, até porque o desmatamento tem sido maior.

Como é. O Inpe também mostra que os incêndios no mês de junho, quando começam para valer as queimadas, foram os maiores para o mês nos últimos 13 anos.

SINAIS PARTICULARES.
Sérgio Moro, ex-ministro da Justiça

Kleber Sales

Jogando… Apesar de negar a intenção de ser candidato a presidente da República, Sérgio Moro insiste em se reposicionar no centro do debate e falar aos milhões de corações carentes de uma liderança nessa faixa do espectro político.

…o jogo. “Independentemente de onde estarei em 2022, essa polarização entre extrema direita e extrema esquerda, uma quer controle social da mídia e a outra quer xingar jornalista, principalmente quando ela é mulher, é intolerável”, disse, em entrevista à Rádio Metrópole (Bahia).

Fichas… Quem conhece Augusto Aras na PGR aposta que ele vai arquivar a representação do Ministério da Defesa contra Gilmar Mendes pelo que falou, mesmo que desagrade à ala militar.

…na mesa. Deve, claro, chamar todos os lados para se manifestar e pode até dar uma cutucada no ministro do STF, mas a expectativa é de que arquive alegando liberdade de expressão.

CLICK. Em casa por ter testado positivo para covid-19, Jair Bolsonaro “participou” por videochamada de uma inauguração em Alagoas, com o ministro do Desensolvimento Regional, Rogério Marinho.

Coluna do Estadão

Fila… O depoimento de Deltan Dallagnol está marcado para o próximo dia 31 no caso em que o CNMP apura se houve atuação político-partidária do procurador contra Renan Calheiros (MDB-AL) na disputa pela presidência do Senado.

… anda. Dallagnol chamou sete testemunhas de defesa, entre elas, membros do Muda Senado: Eduardo Girão (Pode-CE), Álvaro Dias (Pode-PR) e Oriovisto Guimarães (Pode-PR).

Ação. O Observatório Judaico dos Direitos Humanos no Brasil Henry Sobel lança esta semana o relatório “O Antissemitismo no Governo Bolsonaro, um Balanço de 18 meses”, que aponta mais de 50 ações antissemitas no País.

 

BOMBOU NAS REDES!

Orlando Silva. FOTO: ALEX SILVA/ESTADÃO

Orlando Silva, deputado federal (PCdoB-SP): “Alguém consegue imaginar um policial pisando no pescoço de uma senhora branca, moradora dos Jardins? Não. Isso é o racismo”, sobre ação da PM em SP.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: