No pós-eleição, Congresso articula medidas para abrir caminho para a Sputnik V

No pós-eleição, Congresso articula medidas para abrir caminho para a Sputnik V

Coluna do Estadão

03 de fevereiro de 2021 | 05h00

Foto: Victoria Jones/AFP

Encerrada a eleição no Congresso, parlamentares da área da saúde articulam formas de ampliar a oferta de vacinas contra a covid-19 no País e abrem caminho para a russa Sputnik V. O líder do governo na Câmara e ex-ministro, Ricardo Barros (PP-PR), trabalha em projeto para sustar determinação da Anvisa exigindo estudos clínicos da fase três do imunizante no Brasil. Em outra frente, senadores querem votar no próximo dia 11 a “MP das vacinas” do governo, mas com modificações para flexibilizar a autorização para o uso dos imunizantes no País.

Adendo. Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou emenda para incluir a agência sanitária russa no rol das autorizadas pela MP.

A paternidade. A exigência dos estudos clínicos da fase 3 é hoje o maior empecilho da Sputnik V, que o governo quer transformar na “vacina do Bolsonaro”, como a Coluna mostrou.

Veja… Secretário da Saúde da Bahia, Fábio Villas Boas diz que a exigência “assassina qualquer possibilidade de se incorporar novas vacinas no Brasil e ainda é inaceitável, do ponto de vista da bioética”.

…bem. “Qual idoso de 60 anos, por exemplo, vai aceitar participar de um estudo agora, sendo que pode tomar logo uma vacina já aprovada?”, questiona.

Só a vacina salva. Rodrigo Pacheco (DEM-MG) considera a votação da MP essencial. Arthur Lira (PP-AL), que abriu sua história na presidência da Câmara com a faca nos dentes e farreou sem máscara até altas horas após a vitória, também diz estar no pique.

SINAIS PARTICULARES.
Arthur Lira, presidente da Câmara

Ilustração: Kleber Sales

A ver. Reservadamente, diante da pressão, técnicos e diretores da Anvisa passaram a dizer que a realização do estudo clínico no País já não é mais uma exigência, desde que os dados sobre a vacina sejam entregues de forma completa ou que ela receba aprovação de agência reguladora “séria”, como FDA ou EMA.

Help. O sindicato das empresas de Limpeza Urbana (Selurb) pediu ao Ministério da Saúde e aos Estados a inclusão dos 348 mil trabalhadores que atuam na coleta, tratamento e destinação de lixo nos grupos prioritários de vacinação.

Tô… Ainda durante a eleição da Câmara, o governo Jair Bolsonaro foi avisado por ministros do STF sobre o risco de apostar todas as fichas em Arthur Lira.

…nem… Um ministro da Corte deu o recado: o caso em que um servidor da Câmara foi flagrado com R$ 106 mil em dinheiro vivo no aeroporto (segundo a PGR, os recursos seriam para Lira) é o mais “perigoso” contra o presidente da Câmara. Não adiantou.

…aí. O processo está parado desde novembro de 2020, quando Dias Toffoli pediu vista. Interlocutor do governo no STF lembrou que, quanto mais se “sobe” em grau de autoridade, mais rapidamente andam os processos na Corte.

Oi sumido. Após ter ido contra o próprio partido ao se manter ao lado de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na disputa pelo comando da Câmara, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PB) participou da reunião em que o novo líder do PP, Cacá Leão (BA), foi escolhido. Causou estranhamento entre seus pares.

CLICK. O governador de MG, Romeu Zema (Novo), fez um bate-volta para Brasília anteontem só para cumprimentar o recém-eleito presidente do Senado e conterrâneo, Rodrigo Pacheco (DEM).

Coluna do Estadão

Luz. O vereador Antonio Donato (PT) protocolou a primeira CPI da nova legislatura da Câmara Municipal de São Paulo para investigar a PPP da iluminação pública na capital paulista.

Luz 2. Segundo ele, há problemas no cronograma de implantação e descumprimento do padrão de luminárias previsto no edital, gerando prejuízo à cidade.

PRONTO, FALEI!

Fabio Lepique

Coluna do Estadão

Fábio Lepique, secretário executivo da Prefeitura de São Paulo: “Bruno Covas foi ao Rio com o filho ver um jogo de futebol. Não foi condecorar nenhum miliciano e nem minimizar o assassinato de Marielle Franco.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU MATEUS VARGAS.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.