No Palácio do Planalto, o ‘rei’ está com covid-19

No Palácio do Planalto, o ‘rei’ está com covid-19

Coluna do Estadão

08 de julho de 2020 | 00h30

Jair Bolsonaro durante encontro com Paulo Skaf, presidente da Fiesp, e empresários em 03 de julho. Foto: Marcos Corrêa/PR

O anúncio de que Jair Bolsonaro está com covid-19 desfez o clima farsesco de aparente “normalidade” do Planalto, onde, desde o início da pandemia, visitantes e funcionários subalternos eram compelidos veladamente por anfitriões (no primeiro caso) ou por superiores a (fingir) ignorar o risco de contágio. O uso de máscaras nunca foi totalmente incorporado pelo “dress code” palaciano e sempre houve a suspeita de doentes que não “saíram do armário”: uma vez afastados, se limitaram a dizer terem sido vítimas de dengue ou de “virose”.

Eu vi. A partir de agora, como na fábula A Roupa Nova do Rei (Andersen), quem tiver coragem poderá gritar no Palácio do Planalto: “O rei está com covid-19”.

Pânico. O medo bateu à porta: servidores e parlamentares que estiveram com Bolsonaro correram para fazer exames.

Ação. O PSOL apresentou projeto para sustar o reajuste tarifário da Enel SP: argumenta que todo o custo sobre a distribuição de energia elétrica decorrente da pandemia será arcado pelos consumidores.

CLICK. A deputada Dorinha Seabra, do DEM pelo Tocantins, foi eleita presidente do Instituto Educatores, que reúne ex-secretários estaduais de Educação. Dorinha é relatora da PEC do Fundeb na Câmara. Na foto estão: Denilson Costa, Raquel Teixeira, Dorinha Seabra e Júlio Gregório Filho, que compõem a nova diretoria do instituto.

Coluna do Estadão

Tempo. Cada vez mais bem posicionado no xadrez da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM) diz: “Rodrigo Maia devolveu a Casa a um patamar democrático e republicano. Mais importante do que discutir nomes de quem pode suceder ao atual presidente é o compromisso de manter o Legislativo nesse patamar”.

Vintage. Cartolas viram na iniciativa de João Doria de criticar a CBF tentativa do governador de voltar aos tempos da seleção paulista de futebol. Em meados do século passado, a rivalidade com os cariocas movia os clubes do Estado.

Vintage 2. Os tempos mudaram, dizem os dirigentes que assinaram o calendário da CBF. Para eles, Doria quer é se contrapor a Bolsonaro, cada vez mais próximo do Flamengo. Segundo o governador, os paulistas não poderão começar a disputa do Brasileirão antes do término do Paulista.

SINAIS PARTICULARES.
João Doria, governador de São Paulo

Ilustração: Kleber Sales

BOMBOU NAS REDES!

Deputado Marcelo Freixo. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Marcelo Freixo, deputado federal (Psol-RJ): “O uso da máscara faz efeito. O da cloroquina, não. Mas até doente Bolsonaro sabota o combate à pandemia”, sobre o presidente fazer ‘propaganda’ da substância.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: