‘Nem-nem’ carece de posições e conteúdo

‘Nem-nem’ carece de posições e conteúdo

Coluna do Estadão

16 de maio de 2021 | 05h00

Presidente Jair Bolsonaro e ex-presidente Lula. FOTOS: JOÉDSON ALVES/EFE E MAURO PIMENTEL/AFP

Pesquisas às quais partidos de centro tiveram acesso praticamente põem fim ao sonho de construir uma candidatura única que encarne a “terceira via”. O grupo dos “nem-nem” é heterogêneo, com mais divergências do que a convergência de ser contra o PT e o atual presidente. Os dados reforçam o que marqueteiros e pesquiseiros experientes têm dito: só o discurso do “nem Bolsonaro, nem Lula” dificilmente arrastará parcela expressiva do eleitorado. Explica um deles: a terceira via, em geral, só se viabiliza quando derruba e substitui um dos polos.

Conteúdo. Outra grande dificuldade do centro: não basta apenas criticar, tem de apresentar opções, oferecer sonhos e esperanças aos brasileiros, hoje capturados pela polarização.

Conteúdo 2. Ou seja, o discurso “nem uma coisa, nem outra” não serve como causa maior se não vier recheado de ideias, propostas e posições claras.

CQD. O exemplo é a candidatura de Geraldo Alckmin a presidente em 2018: centrava fogo em Jair Bolsonaro e Fernando Haddad ao mesmo tempo.

Difícil. Desta vez, Ciro Gomes (PDT) também tem oscilado entre “bater” no petista e no atual presidente. Um marqueteiro atento observa: Ciro não conseguirá ser mais anti-Lula do que Bolsonaro nem mais anti-Bolsonaro do que Lula.

Eu, não. Wilson Pedroso não foi escalado por João Doria para mobilizar a militância tucana no ato de filiação de Rodrigo Garcia ao PSDB, conforme disseram tucanos à Coluna. Marco Vinholi rebateu os descontentes (leia abaixo).

Diputa… Não bastasse a atual temporada de tempestades, Jair Bolsonaro sofre pressões familiares em diferentes sentidos e intensidades: a primeira-dama Michelle Bolsonaro luta pela indicação ao STF do advogado-geral da União, André Mendonça, que costuma orar com o casal presidencial.

…no clã. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o 01, trabalha pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins. O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.

CLICK. Apaixonado por futebol, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo, mantém em seu gabinete uma espécie de santuário dedicado ao time do coração, o Santos F.C.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Uma… Em seu novo livro, que chega amanhã às lojas físicas, Fernando Henrique Cardoso rememora sua trajetória intelectual, mas não perde a oportunidade de contar alguns casos saborosos da política.

…questão de… Em um deles, Mario Covas sugeriu que FHC, então candidato a prefeito de São Paulo, ajudasse trabalhadores na manutenção de uma calçada. “Mario, eu nunca segurei uma picareta”, respondeu ele. “Não era o meu estilo”, conta FHC em Um Intelectual na Política – Memórias (Companhia das Letras).

…estilo. O ex-presidente narra um encontro com Lula e sindicalistas, no final dos anos 70, “em uma salinha pequena em que todos fumavam muito e bebiam”. “Eu, que não sou de bebida nem de cigarro, não estava à vontade”, diz FHC.

Sem… Em outra passagem, FHC confirma sua fama entre os políticos de ser “mão fechada”. Ele conta que foi arrastado por Itamar Franco para tomar uma café em um hotel chique do Rio de Janeiro.

…carteira. “Entramos eu e o presidente da República e não tínhamos dinheiro para pagar nada!” Ambos haviam saído sem carteira.

SINAIS PARTICULARES.
Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

PRONTO, FALEI!

Marco Vinholi. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Marco Vinholi, presidente do PSDB-SP: “Foi o mais prestigiado evento de filiação já realizado no PSDB, a dor de cotovelo da velha cepa é natural”, sobre a filiação de Rodrigo Garcia ao partido.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.