Nas redes sociais, FHC ignora candidatura de Alckmin

Nas redes sociais, FHC ignora candidatura de Alckmin

Coluna do Estadão

15 Setembro 2018 | 05h30

Foto: Fábio Motta/Estadão

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso completa um mês de sua estreia no Twitter e ainda não usou a plataforma ou sua página no Facebook para pedir votos para Geraldo Alckmin. Ontem, FHC postou: “Só com experiência se governa. Sem convicção não se criam caminhos de futuro. Avalie quem junta estas virtudes e vote”. Não sugeriu, porém, um candidato. Integrante da cúpula da campanha diz que o tucano reage ao fato de ainda não ter sido chamado para gravar o programa de TV de Alckmin. A avaliação é de que ele não agrega votos.

Há um mês. Na única manifestação que fez no Twitter mencionando Alckmin, FHC usou o espaço para esclarecer sua declaração de que no 2.º turno o PSDB deve apoiar o PT, caso Haddad dispute com Bolsonaro. “Meu candidato é o Alckmin e vamos ganhar”, postou em 16 de agosto.

Com a palavra. A assessoria de FHC diz que “em artigos e entrevistas recentes” ele já explicitou que seu candidato é Alckmin e recomendou voto no candidato e que “outras manifestações de apoio serão feitas no momento oportuno”. Faltam três semanas para o primeiro turno da eleição.

Tem alguém aí? O mais próximo que FHC chegou da campanha de Alckmin foi há cerca de duas semanas, quando visitou o QG do candidato. Sugeriu subir o tom contra o PT, manter as críticas a Bolsonaro e reforçar o pedido de votos em SP e na Região Sul.

Dieta. A equipe médica do Hospital Albert Einstein que acompanha o candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, avalia retomar a alimentação oral dele na segunda, 17. A última tentativa foi interrompida e precisou de nova cirurgia para a distensão abdominal.

Sem foto. O ex-presidente do Supremo Joaquim Barbosa ficou até a madrugada de ontem na festa da posse de Dias Toffoli, que assumiu o comando da Corte. Conversou muito com antigos colegas, mas recusou todos os pedidos de foto.

Tô fora. Barbosa também não queria falar de política e muito menos explicitar os motivos de sua recusa em ser candidato à Presidência, apesar da filiação ao PSB. “Prezo vida privada.”

Virou moda. O ex-governador do Paraná Beto Richa e o ex-secretário de Desenvolvimento Rural do Piauí Francisco Limma enviaram ao CNMP pedido para que sejam apuradas ofensivas de promotores contra eles.

Adendo. As petições incluem a sugestão do conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello para que a Corregedoria apure ações contra Fernando Haddad e Alckmin em meio à eleição.

Os fatos. Richa e Limma alegam perseguição. O ex-governador foi solto ontem por Gilmar Mendes, STF.

CLICK. Candidato ao Senado pelo PV, Sarney Filho limita-se a dizer em sua campanha que foi ex-ministro do Meio Ambiente, sem mencionar o ex-chefe Michel Temer.

 

OS CONSELHEIROS

SINAIS PARTICULARES.Cid Gomes (PDT), coordenador da campanha de Ciro Gomes (PDT); por Kleber Sales

Bingo. O resultado do Datafolha não foi novidade para dirigentes do Centrão. Na Região Nordeste, a transferência de votos de Lula a Haddad já ocorreu.

Acorda. A campanha de Marina Silva (Rede) chegou a captar pequeno crescimento dela, mas o Datafolha jogou água no ânimo ao mostrá-la em queda livre.

Só votar. Proposta de Alvaro Dias e Fernando Haddad repete projeto do senador Cristovam Buarque. A ideia é a União assumir a educação básica de cidades pobres e menos populosas.

#FICAADICA

Roberto Kalil

“O próximo governo deve priorizar o fortalecimento do SUS, que é maravilhoso, não deixando de lado a inovação e a incorporação de novas tecnologias”, DO PRESIDENTE DO INCOR E DIRETOR DIRETOR DA CARDIOLOGIA DO SÍRIO-LIBANÊS, ROBERTO KALIL FILHO. 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao