‘Não sei se recorro a Conselho de Ética ou a Departamento de Combate ao Tráfico’, diz Caiado

‘Não sei se recorro a Conselho de Ética ou a Departamento de Combate ao Tráfico’, diz Caiado

Ele e Lindbergh Farias discutiram na manhã desta quinta-feira

Coluna do Estadão

25 de agosto de 2016 | 16h45

O senador Ronaldo Caiado | André Dusek/Estadão

O senador Ronaldo Caiado | André Dusek/Estadão

Após ser informado que seria processado e representado no Conselho de Ética pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) por ter recomendado a ele, em uma discussão, que fizesse “antidoping” e dizer “fica aqui cheirando não”, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), reiterou os ataques ao colega petista.

“Estou em dúvida. Não sei se vou recorrer ao Conselho de Ética ou ao Departamento Nacional de Combarte ao Tráfico”,disse Caiado à Coluna.

Lindbergh e Caiado bateram boca e quase chegarm às vias de fato na manhã desta quinta-feira, 25,durante as primeiras horas do julgamento do impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff.

“O senador Caiado não tem moral alguma para falar. Vou processar. Quem sabe da vida do Caiado é o senador Demóstenes Torres”, afirmou Lindbergh ao deixar o plenário para o intervalo de almoço.

“Tem que fazer antidoping. Fica aqui cheirando não”, disse Caiado a Lindbergh, mais cedo, durante bate-boca no plenário.

A confusão começou quando a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) questionou a moral dos colegas para julgar Dilma. “Eu não sou ladrão de aposentadoria”, disse Caiado, citando indiretamente as acusações que pesam contra o ex-ministro Paulo Bernardo, marido de Gleisi, sobre fraude em empréstimos consignados.

Lindbergh interveio. “Demóstenes é que sabe da sua vida”, disse o petista ao senador do DEM, referindo-se ao senador cassado Demóstenes Torres, aliado de Caiado.

Tudo o que sabemos sobre:

Polêmica

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.