Na eleição paulista, a batalha está na centro-direita

Na eleição paulista, a batalha está na centro-direita

Mariana Carneiro, Felipe Frazão, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

05 de maio de 2022 | 05h01

Rodrigo Garcia (PSDB) e Márcio França (PSB) deram largada a uma batalha em que competem por votos de eleitores da centro-direita e tentam, com isso, quebrar a polarização crescente entre Fernando Haddad (PT) e Tarcísio de Freitas (Republicanos). Enquanto Garcia faz acenos às polícias com ações na segurança pública – numa tentativa de retomar apoios que hoje migram para Tarcísio -, França foi aconselhado a evitar o confronto com o PT de Haddad. Por essa lógica, o ex-governador deve mirar a artilharia em Tarcísio e em Garcia e, assim, tentar assumir a vaga de quem vai rivalizar com Haddad num 2.º turno. Não à toa, a violência urbana virou tema de todos os que brigam na eleição paulista.

Fernando Haddad (PT), Márcio Franca (PSB), Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB), os principais pré-candidatos ao governo de SP. Fotos: Alex Silva/Estadão, Alex Silva/Estadão, Adriano Machado/Reuters e Alex Silva/Estadão

RELIGIÃO. “A candidatura de Tarcísio é representada por um partido que tem ligação com uma denominação religiosa (Universal do Reino de Deus). As outras devem buscar representantes em outras candidaturas, e eu tenho condições de preencher esse espaço”, diz Márcio França, em aceno aos evangélicos. Ele também quer conquistar prefeitos hoje com Garcia.

PENSE. O deputado estadual Ricardo Mellão (Novo) quer convencer Rodrigo Garcia a tirar da lei um dispositivo que autoriza o reajuste de alíquotas de ICMS em até 18% pelo governo sem votação na Alesp.

PESO. Ele diz que é uma herança do aumento de impostos feito por João Doria no ano passado e pesa contra Garcia na eleição. A medida, porém, deixou o governador com o caixa cheio. Em 2021, a carga tributária paulista subiu para 8,9% do PIB, ante 7,44% em 2020.

SINAIS PARTICULARES. Rodrigo Garcia, governador de São Paulo (PSDB)

CLICK. Alexandre de Moraes, ministro do STF

Em meio à crise com Bolsonaro, ele recebeu políticos do Amazonas para falar sobre a ação deles contra o decreto que retirou benefícios da Zona Franca.

PRONTO, FALEI! Dário Yanomami, vice-presidente da Associação Hutukara

“Temos mais de 20 mil garimpeiros em nossas terras, mas o governo Bolsonaro não quer retirá-los. Ele quer acabar com os territórios indígenas”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.