Muitos flancos e uma retaguarda: o Centrão

Muitos flancos e uma retaguarda: o Centrão

Coluna do Estadão

13 de maio de 2020 | 05h00

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADÃO

Um aspecto da atual crise política (descontada a pandemia) é capaz de tornar a vida de Jair Bolsonaro ainda mais complicada do que a de seus antecessores, também fustigados por tempestades quando estavam na Presidência: agora, as nuvens negras avançam em muitas frentes, várias no STF, onde, além do inquérito sobre as acusações de Sérgio Moro, existem ainda apurações tocadas por Alexandre de Moraes (ataques à democracia e gabinete do ódio) e a ocultação dos exames do presidente. Muitos flancos desprotegidos para pouca retaguarda.

Fechando… Diante do perigo, a estratégia do governo é concentrar forças no ponto onde todos os furacões devem convergir futuramente: o Congresso.

…a casinha. Fica cada vez mais claro o motivo dos movimentos mais recentes. A Coluna apurou que pelo menos dez ministérios, ou seja, praticamente metade da Esplanada, têm cargos em negociações com partidos do Centrão.

Cálculo. No melhor dos mundos para o governo, ele espera ter entre 200 e 250 votos no Congresso, o suficiente para manter Bolsonaro na Presidência até o fim do atual mandato.

SINAIS PARTICULARES.
Jair Bolsonaro, presidente da República

Ilustração: Kleber Sales

Coxia. Líderes do Centrão preferem os cargos de segundo e terceiros escalões porque poderão deter muitos recursos sem precisar mostrar a cara no governo. Ainda não há 100% de confiança de nenhum dos dois lados.

Pega mal. Os novos aliados de Bolsonaro avaliaram que o conteúdo do vídeo da famosa reunião ministerial, se for confirmado, pode gerar constrangimentos.

Pega mal 2. Esses deputados evitaram tecer comentários sobre o episódio, mas demonstraram preocupação em privado. Porém, ele não deve, por enquanto, enfraquecer a amizade entre o grupo e o governo.

Contra a grilagem. Apresentada pelo deputado Vinícius Poit (Novo-SP), emenda à MP da regularização de terras estipula pena de cinco anos de reclusão e multa para quem apresentar declaração falsa para a regularização fundiária de terras da União e do Incra. A mudança pode ajudar a viabilizar a votação.

CLICK. Enfermeiros fizeram ato em Brasília pelas vítimas da covid-19 e em defesa da saúde nesta terça. Eles se posicionaram em frente a um boneco inflável de Jair Bolsonaro com as mãos sujas de sangue do artista Renato Moll.

Reprodução/Instagram

Alerta. O vídeo da surpresa de Nelson Teich ao ser informado do decreto de Jair Bolsonaro classificando como serviços essenciais salões de beleza e academias viralizou também entre secretários de Saúde.

Alerta 2. Apesar da gestão de Teich na Saúde não ser vista como operante e eficiente, secretários entendem que, sem ele, a pasta poderia parar de vez.

Relax. Ao menos por enquanto, no entorno do ministro, não há qualquer expectativa de confronto dele com o presidente.

Repulsa. O Observatório Judaico dos Direitos Humanos no Brasil “Henry Sobel” repudiou o uso pela Secom de Bolsonaro de frase análoga ao tenebroso “arbeit macht frei” (“o trabalho liberta”), lema nazista.

Repulsa 2. “Essas manifestações mereceram o repúdio da sociedade civil, no Brasil e no exterior.” O observatório cita o Talmud: “Todo lugar só é bom para os judeus se for bom para todos os que o habitam”.

BOMBOU NAS REDES!

Janaina Paschoal. FOTO: SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Janaína Paschoal, deputada estadual (PSL-SP): “Ainda que a tal reunião venha a confirmar o show de horrores que vem sendo anunciado, crime, ao que tudo indica, não há. E inquérito apura crime.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.