Mudança na política de preços da Petrobras entra em hibernação

Mudança na política de preços da Petrobras entra em hibernação

Mariana Carneiro, Camila Turtelli, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

15 de abril de 2022 | 05h00

Nem auxiliares de Jair Bolsonaro nem investidores acreditam hoje que o governo vá insistir em mexer na política de preços da Petrobras. No front político, a leitura é a de que o tema saiu das manchetes, dando uma trégua a quem trabalha dia e noite acalmando Bolsonaro. Já no meio econômico, a percepção é a de que não há tempo, até a eleição, para que o governo consiga alterar a norma, o que demandaria pelo menos reformar a Lei das Estatais para não provocar uma enxurrada de contestações judiciais de acionistas minoritários. “Bolsonaro já conseguiu o discurso político que queria ao dizer que trocou o presidente da empresa”, avalia um alto executivo do setor financeiro.

José Mauro Coelho, novo presidente da Petrobras; indicação foi confirmada por conselho de administração Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

GRAVIDADE. Um dos argumentos que sustentam a aposta é que o preço do petróleo gira no mesmo patamar do último reajuste da Petrobras, e que o dólar só caiu desde então. Os dois elementos compõem a fórmula que corrige preço dos combustíveis no Brasil.

PRAZO. O cenário só muda se houver uma explosão nos preços do petróleo, em razão de desdobramentos da guerra na Ucrânia, por exemplo. Mas ainda assim, a aposta é que a via menos difícil é a do subsídio, mas ainda assim arriscada se feita depois de junho, o que poderia suscitar dúvidas sobre desrespeito às leis eleitorais. 

FONTE. José Dirceu segue encontrando operadores do mercado financeiro. Nesta semana, se reuniu em Brasília com investidores e funcionários do suíço UBS e da Capital Markets. Antes, esteve com um grupo reunido pela gestora Guide. 

FILTRO. Despontando como principal representante do centro político até o momento, Simone Tebet (MDB) vem comendo pelas beiradas na conquista do empresariado. Um dos que a procuraram para conversar nos últimos dias foi Abílio Diniz, que junto com a mulher Geyze Diniz tratou de programas sociais.

MÁQUINA. Em campanha para ganhar apoio no Nordeste, Bolsonaro ampliou as transferências voluntárias para investimentos no início do ano. O valor aplicado aumentou 640% em relação a 2021.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Jair Bolsonaro, presidente da República.

 

CLICK. Nise Yamaguchi, médica.

Conhecida por defender remédios ineficazes contra a covid, ela participou de evento do PTB na semana, embora tenha optado por se filiar ao PROS.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.