‘Muda Senado’ voltará à carga contra Supremo

‘Muda Senado’ voltará à carga contra Supremo

Coluna do Estadão

13 de outubro de 2019 | 06h00

Integrantes do “Muda Senado” planejam endurecer e personalizar o discurso pela CPI da Lava Toga, na boca da caçapa para obter as assinaturas necessárias. Vão argumentar que, desde a redemocratização, somente o Supremo não teve membros cassados por irregularidades. Ou seja, o Senado pode não estar cumprindo seu papel, pois, em certo sentido, é dele a prerrogativa constitucional de “fiscalizar” a Corte. Por tabela, Davi Alcolumbre será ainda mais pressionado a desengavetar pedidos dormentes de impeachment de ministros do STF na Casa.

Divergente. Até por isso, a estratégia não é unânime no grupo. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), por exemplo, prefere centrar esforços em obter a assinatura que falta para a CPI. “É uma pauta do Brasil e vai andar”, afirma.

Boi de piranha. Os que acreditam nessa estratégia, no entanto, apostam que as últimas operações da PF contra senadores podem unir a Casa pela agenda.

A regra… A senha foi dada em um discurso crítico do senador Marcos Rogério (DEM-RO). Quando apertado por não ter assinado o pedido de CPI, respondeu que o instrumento reservado pela Constituição ao Parlamento contra os “abusos” é o “impeachment”.

…é clara. “E eu digo com toda a segurança: este Parlamento terá que enfrentar isso em breve”, disse.

Deu…. Pegou mal no PSL e em ala radical do bolsonarismo o post de Jair Bolsonaro, no Facebook, ao lado de Paulo Skaf. Marcelo Odebrecht disse à PGR ter repassado R$ 2,5 milhões a Paulo ao presidente da Fiesp, filiado ao MDB.

…ruim. Skaf também é citado na delação do publicitário Renato Pereira. O empresário nega as duas acusações e diz que suas campanhas ao governo de SP estiveram dentro da lei.

Vixe. Outro efeito colateral da aproximação Bolsonaro-Skaf é aumentar o mau humor de Paulo Guedes. Na Economia, desconfia-se de que ao presidente da Fiesp quer minar a ideia do governo federal de reduzir recursos do sistema S.


CLICK.
O prefeito de Salvador, ACM Neto, esteve em Copenhague (Dinamarca) para a conferência do C40, grupo de cidades comprometidas com o meio ambiente.

Como… Luiz Eduardo Soares, ex-secretário nacional de Segurança Pública, lança terça-feira, no Rio, “O Brasil e Seu Duplo” (veja abaixo). O livro “discute os extremismos que marcam o momento político do País”, na definição do autor.

…chegamos até aqui? “Escrevi ao longo dos últimos sete anos. Eu me aproximava dos 60 anos de idade e me perguntava: afinal, o que é que eu sei sobre o Brasil? O que eu poderia deixar para as próximas gerações, para meus netos?”, diz Soares, que é antropólogo e cientista político.

Nas… O secretário de logística e transportes do Estado de SP, João Octaviano Machado Neto, enfrentava dia desses o trânsito da capital paulista quando se deparou com um caminhão entalado num túnel.

…horas vagas. Não teve dúvidas: pegou cones, apito e colete de fiscalização que carrega no carro e foi para o meio da rua organizar o caos. Relembrou os tempos em que esteve à frente da Companhia de Engenharia de Tráfego da cidade.

 

Biblioteca política / Lançamentos

O Brasil e seu Duplo
LUIZ E. SOARES
TODAVIA
Obra discute os extremismos ideológicos que marcam o momento político do País.

 

Irmã Dulce, a Santa dos Pobres
GRACILIANO ROCHA
PLANETA
Biografia da santa mostra como ela se relacionou com a política de forma republicana.


COM JULIANA BRAGA.

COLABOROU ADRIANO CIRINO

Tendências: