Mourão acentua crise e diz que só ouve Bolsonaro

Mourão acentua crise e diz que só ouve Bolsonaro

Coluna do Estadão

14 Setembro 2018 | 05h30

Candidato a vice-presidente, general Mourão. Foto: Wilton Júnior/Estadão.

Vice de Jair Bolsonaro (PSL) na corrida ao Planalto, o general Hamilton Mourão (PRTB) diz que vai ouvir “somente Bolsonaro” sobre a hipótese de substituí-lo nos debates. “A decisão tem de ser dele e de mais ninguém”, afirma, descartando considerar a opinião da família do candidato e do PSL, ambos contrários a troca. A presença de Mourão nos debates rachou a campanha porque uma ala avalia que a cadeira vazia reforça no eleitorado o sentimento de dívida com o presidenciável, que foi esfaqueado na última semana num evento de campanha. Alheio a isso, o PRTB informa que vai consultar ao TSE, mas, como está coligado, precisa da concordância do PSL.

Ação e reação. O general Mourão diz não poder reclamar do pouco tempo de programa de televisão. “Estamos tendo outras oportunidades para expor nossas ideias, mas (a cadeira vazia no debate) pode eventualmente nos causar algum prejuízo”, avaliou.

Sentindo o golpe. A estratégia do PSL preocupa seus oponentes. Geraldo Alckmin já pediu aos eleitores que não votem em Bolsonaro por solidariedade pelo atentado que sofreu. Nesse sentido, adversários preferem Mourão nos debates.

Beija a mão. O candidato do MDB ao Planalto, Henrique Meirelles, deve ir a Brasília na semana que vem. Desde que começou a campanha, afastou-se do trio que validou sua candidatura: Moreira Franco, Eliseu Padilha e Michel Temer. Quer aproveitar para conversar, pelo menos, com o presidente.

Ah, tá. Questionado em quem vai votar na eleição presidencial, o governador petista Camilo Santana, do Ceará, responde: “O voto é secreto”. No palanque dele estão Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT). “Não sou candidato do PT, mas de uma coligação de 16 partidos”, explica.

Olha a onda. O candidato ao governo de São Paulo do MDB, Paulo Skaf, não descarta apoiar Jair Bolsonaro no segundo turno, a depender de quem passar para essa fase. Os dois nunca se falaram, mas o time de Bolsonaro já piscou para Skaf.

Você por aqui? O desembargador Rogério Favreto compareceu ao coquetel promovido pela AMB ontem em homenagem a Dias Toffoli, novo presidente do STF. Favreto ganhou fama ao mandar soltar Lula em julho.

O perigo… Em reuniões reservadas com auxiliares, o presidente Michel Temer externou a preocupação de voltar a ser alvo de nova denúncia no final de outubro, no inquérito que investiga o Decreto dos Portos.

…mora ao lado. A avaliação da defesa de Temer é de que, apesar da determinação do ministro Edson Fachin para que a PGR se manifeste no Inquérito da Odebrecht, essa denúncia não deve avançar por ser ato anterior ao mandato.

Cerco. Investigadores dizem que é impossível Temer escapar de um processo. Ele nega ter recebido propina em troca de benefícios ao setor portuário.

CLICK. Longe das urnas nestas eleições, o deputado cassado Paulo Maluf (PP-SP) segura cartaz em apoio ao candidato a deputado federal Guilherme Ribeiro (PRB).

Coluna do Estadão

OS CONSELHEIROS DOS PRESIDENCIÁVEIS

 

SINAIS PARTICULARES. Paulo Guedes, economista de Jair Bolsonaro (PSL); por Kleber Sales

Irregular… O Novo pedirá ao TSE que o PT pare de veicular imagem na qual aparecem Lula e Haddad com destaque e Manuela d’Ávila é ignorada. Os advogados dizem que a peça dá a entender que o ex-presidente é candidato.

…de novo. A sigla ironiza na ação ao dizer que não deseja com isso que “o eleitor se esqueça do que o Lula fez e representa”.

#FICAADICA

“Espero que a próxima gestão continue a liderar o processo de reformas que levará o País a um crescimento sustentado e com mais equidade”, da secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM ALBERTO BOMBIG, PEDRO VENCESLAU E RAFAEL MORAES MOURA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao