Moro abala resiliência de Bolsonaro na direita

Moro abala resiliência de Bolsonaro na direita

Coluna do Estadão

26 de abril de 2020 | 05h00

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro. FOTO: MARCOS CORRÊA/PR

Qual o limite da propalada resiliência de Jair Bolsonaro entre eleitores de direita? A conturbada saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça fornece algumas pistas: ela foi altamente reprovada por apoiadores do presidente, indica pesquisa do Instituto Travessia realizada com exclusividade para a Coluna. De acordo com o levantamento, 77% dos brasileiros avaliaram de maneira negativa a demissão. Entre os que se declararam eleitores de Jair Bolsonaro, a desaprovação chegou a 81% (apenas 16% nesse grupo disseram aprovar a saída de Moro).

Mais. Para 57% dos entrevistados, sem Moro, o combate à corrupção será impactado negativamente a partir de agora no País.

Saia da frente! Sérgio Moro congestionou a pista da centro-direita, que já tem João Doria e Wilson Witzel.

Má ideia. A pesquisa também apontou que 66% dos entrevistados não gostaram da troca de Luiz Henrique Mandetta por Nelson Teich no comando no Ministério da Saúde. Outros 27% concordaram com a mudança.

Desconfiança. Em meio à pandemia da covid-19, 60% dos entrevistados avaliam que Nelson Teich realizará um trabalho pior que seu antecessor. Apenas 23% acreditam que ele poderá superar Mandetta no cargo.

Dados. A pesquisa entrevistou mil pessoas em todo o País na sexta-feira (24), após o anúncio da demissão de Moro. Foi realizada por entrevistas telefônicas. A margem de erro é de 3 pontos porcentuais e o nível de confiança é de 95%.

CLICK. A foto de Sérgio Moro como padrinho de casamento da deputada Carla Zambelli repercutiu após o ex-ministro ter revelado conversa entre ambos sobre o STF.

FOTO: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

Me ajuda… O governo Jair Bolsonaro abriu negociação com dois dos mais importantes líderes do Centrão para a substituição de Casemiro Tércio Carvalho no comando do poderoso e cobiçado Porto de Santos.

…a te ajudar. O deputado e presidente do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (SP), e o ex-deputado Valdemar Costa Neto (PL), o Boy, querem assumir o controle do porto.

Influencer. No Instagram de Rosângela Moro, mulher do ex-ministro da Justiça, foram muitos os comentários de apoio ao casal. Ela chegou a ser chamada de “futura primeira-dama”.

SINAIS PARTICULARES.
Rosângela Moro, advogada

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Contra… Um experiente advogado alerta: se quiserem evitar que Jair Bolsonaro nomeie seu primeiro ministro do Supremo, os adversários do presidente terão de abrir o impeachment na Câmara e afastar o presidente antes de novembro.

…o tempo. Ele também aposta que Sérgio Moro não está fora do jogo por uma vaga no STF. Porém, se Hamilton Mourão assumir a Presidência e quiser nomear o ex-juiz, provavelmente terá de esperar a vaga de Marco Aurélio Mello: há um impedimento político para que testemunhas em processos de impeachment em curso integrem a Corte.

Risco. Com inadimplência de R$ 18 bilhões, o setor de captação e destinação do lixo vê risco de calote das prefeituras na crise da covid-19. Há temor quanto a um colapso do sistema de limpeza urbana em maio se não houver ajuda federal.

Risco 2. “Com a pandemia, as empresas tiveram que investir mais para manter operações em novos parâmetros. Se não entrar recursos, há risco do sistema colapsar no Brasil”, diz Márcio Matheus, presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana.

PRONTO, FALEI!

Governador Flávio Dino. FOTO: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Flávio Dino, governador do Maranhão (PCdoB): “Sua excelência, o fato. Não adianta dizer: ‘ah, não é o momento’. Os fatos ganharam vida própria”, sobre a necessidade de investigação contra Jair Bolsonaro.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: