Moderados ainda não estão na rua, diz Marcelo Ramos

Moderados ainda não estão na rua, diz Marcelo Ramos

Coluna do Estadão

31 de maio de 2021 | 05h00

Marcelo Ramos. FOTO: PABLO VALADARES/CÂMARA DOS DEPUTADOS

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), avalia que as recentes manifestações populares contra Jair Bolsonaro, apesar de “significativas”, poderiam ter sido ainda maiores se uma parcela dos chamados “moderados” também estivesse mobilizada e disposta a sair às ruas. “Simbolicamente, foi pouco plural”, disse. “Não estou tirando a legitimidade dos protestos, pelo contrário. Nas ruas, estavam os antibolsonaristas de esquerda, mas tem um Brasil no meio disso, acho até que majoritário”, afirmou Ramos à Coluna.

Direto. “As esquerdas no Brasil insistem em atos estreitos, que não mobilizam uma parcela dos moderados, insatisfeita com Bolsonaro”, afirma Ramos, que, apesar de ocupar a vice-presidência da Câmara por um partido da base do governo, mantém olhar sempre muito crítico sobre Bolsonaro.

Anota aí. Mesmo Marcelo Ramos não tendo participado dos atos, a frase dele que se tornou um bordão foi vista em quase todas as manifestações: “vacina no braço e comida no prato”.

Se. “Não há país que assista passivo às quase 500 mil mortes, quase 15 milhões de desempregados, 19 milhões com fome e 800 mil micro e pequenas empresas fechadas”, disse. Para ele, só “turbinando” o Bolsa Família, Bolsonaro consegue se recompor a tempo.

Xi… Convocado pela CPI da Covid, Arthur Weintraub pode escapar de depor. Segundo técnicos do Senado, condução coercitiva está fora de cogitação.

Xi 2…Há precedente de depoimento remoto, na CPI da Chapecoense. Ex-palaciano, Arthur ocupa cargo na OEA em Washington.

Ops. Ao chegar na noite de sábado a Pernambuco, Marcelo Queiroga foi direto para a sede da White Martins, onde teria reunião. Mas deu de cara com os portões fechados…

SINAIS PARTICULARES.
Arthur Lira, presidente da Câmara (PP-AL)

Kleber Salles

Dress code. Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) tem adotado um uniforme quando está fora do Congresso para compromissos na base aos finais de semana: camisa polo e jeans.

CLICK. Em Porto Velho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) passou ao lado da carreata crítica ao presidente e o gesto da “arminha”, em tom de provocação.

Reprodução/Telegram

Fogo… Está surgindo na bancada ruralista uma crescente preocupação com a permanência de Ricardo Salles no comando do Minitério do Meio Ambiente.

…ou… Alguns parlamentares avaliam que o ministro não consegue mais reverter a imagem negativa e temem que o País chegue fragilizado à COP no final do ano.

… fagulha. Mas, como a bancada é muito bolsonarista, há temor de que o movimento seja visto como crítica ao governo. Ainda há, portanto, quem defenda Salles com unhas e dentes.

No ringue. Depois de protagonizar o episódio que culminou na saída de Ernesto Araújo do Itamaraty, a senadora Kátia Abreu (PP-TO) virou sua artilharia contra Salles. Já se queixou dele a ministros do governo.

Agora… O ministro Anderson Torres (Justiça) prometeu que sairá do papel a proposta da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) de criar uma estratégia de combate à violência contra as mulheres. A ideia já tem quase um ano.

…vai. A instituição, comandada por Renata Gil, propõe a criação de uma política nos moldes da Enccla (Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro).

PRONTO, FALEI!

Deputado Samuel Moreira, relator da reforma da Previdência. FOTO: JOSÉ CRUZ/AG. BRASIL

Samuel Moreira, deputado federal (PSDB-SP): “O presidente Jair Bolsonaro não para de ajudar a pandemia. Com seu péssimo governo, mobilizou até os adversários na promoção de aglomerações.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.