Ministros preparam debandada eleitoral

Ministros preparam debandada eleitoral

Coluna do Estadão

24 de julho de 2021 | 05h00

Alan Santos/PR

Com a chegada de Ciro Nogueira no Planalto, vai se desenhando um cenário em que metade dos atuais ministros pode deixar o governo no ano que vem para se candidatar. A maioria, segundo a Coluna apurou, quer disputar uma vaga no Senado, mas interlocutores dizem que a palavra final é do presidente. Dos 23 ministérios, contando com a recriação do Trabalho, nove titulares, Nogueira entre eles, são dados como certos nas urnas: Anderson Torres, João Roma, Fábio Faria, Gilson Machado, Rogério Marinho, Tereza Cristina, Onyx Lorenzoni e Flávia Arruda.

Lista. Os outros três que podem se candidatar são Tarcísio Freitas, Marcelo Queiroga e Milton Ribeiro.

Estamos… Lorenzoni sonha com o governo do Rio Grande do Sul. Fábio Faria e Rogério Marinho se decidirão entre Senado e governo do Rio Grande do Norte. Tarcísio foi citado por Bolsonaro para concorrer ao governo de São Paulo.

…aqui. No DF, o entorno de Torres diz que ele não descarta concorrer contra seu ex-chefe, o governador Ibaneis Rocha (MDB). Tudo depende do cenário. Hoje Torres é próximo ao PSL.

Uau! Tereza Cristina está entre o Senado e o governo do Mato Grosso do Sul, mas seu nome costuma circular para vice de Bolsonaro.

Tapa… Nogueira, senador, é pré-candidato ao governo do Piauí. Por isso, o estresse na Economia quando ele ficou sabendo que a pasta liberou empréstimo de R$ 800 milhões para a gestão do seu adversário Wellington Dias (PT).

…na mesa. Segundo interlocutores de Nogueira, ele ficou destemperado: chegou a dizer que estava rompendo com o governo. Na semana seguinte, o senador foi escolhido como novo ministro da Casa Civil.

Verde oliva. Apesar de entranhados na política, os ministros militares Luiz Eduardo Ramos e Braga Netto não esboçam intenção eleitoral…

Pra galera. Presidente do PDT, Carlos Lupi tomou a segunda dose da vacina e esperou 15 dias em casa. Hoje, 24, promete participar pela primeira vez de um protesto de rua contra Bolsonaro. “Como diz a música de Gonzaguinha, ‘não dá mais pra segurar, explode coração’”, disse.

SINAIS PARTICULARES.
Carlos Lupi, presidente do PDT

Kleber Sales

Ufa. O ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa defender sua reforma tributária até em família. Elizabeth Guedes, irmã dele, diz que a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) onerará a educação e a saúde, setores que ela representa.

Ufa 2. “A gente sabe que não conseguirá desonerar a folha (desses setores) até o fim do ano. Não há condição política de fazer isso. Teremos aumento de carga tributária”, disse ela, em debate do IREE (Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa).

CLICK. A deputada estadual Marina Helou (Rede-SP) promoveu recentemente, em seu curso de política, o Lidera, uma aula pública com o ex-presidente FHC.

Coluna do Estadão

Alto… O Ministério Público Democrático se posicionou contra o PL que muda a demarcação de terras indígenas no País: um retrocesso quanto aos procedimentos para identificação, demarcação e homologação.

…lá. “A convenção 169 da OIT prevê a prévia consulta aos povos indígenas nos casos de exploração de recursos minerais, e isso sequer foi cogitado”, diz Ricardo Prado presidente do MPD.

PRONTO, FALEI!

Senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid Foto: Dida Sampaio / Estadão

Renan Calheiros, presidente do MDB: “Jair Bolsonaro saiu do hospital para entrar no Centrão. Curou como pessoa física, mas percebeu que na pessoa jurídica sua situação era terminal.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.