Ministro de Temer diz que antecipação de impeachment mencionada por Renan foi brincadeira em jantar

Ministro de Temer diz que antecipação de impeachment mencionada por Renan foi brincadeira em jantar

Reunião ocorreu ontem à noite com presença do presidente da República interino

Coluna do Estadão

25 de agosto de 2016 | 10h08

plenario

Um ministro do governo interino de Michel Temer disse à Coluna que foi uma brincadeira no jantar ocorrido na noite de quarta-feira, 24, na residência oficial da presidência da Câmara, que transformou-se em polêmica no início da sessão do julgamento do impeachment na manhã desta quinta-feira, 25.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) questionou notícia de que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que o fim da sessão poderia ser antecipado para a madrugada de segunda para terça-feira. A previsão inicial é que a conclusão da votação ocorra entre terça e quarta-feira.

O comentário foi feito no jantar de ontem, em reunião em que estavam, além de Renan, ministros e o presidente da República interino, Michel Temer.

De acordo com um dos ministros que participaram do encontro, eles comentavam a viagem que Temer fará à China, no início de setembro. O ministro disse à Coluna que eles brincavam com a possibilidade de o chefe Secretaria-Executiva o Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, participar da viagem. A existência do cargo de Moreira depende da aprovação da Medida Provisória que o cria. Ela precisa ser votada na Câmara e no Senado até o dia 8 de setembro.

Os participantes da conversa afirmaram que a data da viagem depende do fim do julgamento e Renan comentou que isso poderia acontecer na madrugada de segunda para terça-feira.

Renan não comanda a sessão, que é presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. “O julgamento tem prazo para começar, mas não tem prazo para terminar”, disse Lewandoski. (Daniel Carvalho)

Tudo o que sabemos sobre:

impeachment

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.