Metade das capitais pode mudar de prefeito em 2018

Metade das capitais pode mudar de prefeito em 2018

Luiza Pollo

28 Agosto 2017 | 05h30

 

Metade das capitais do Brasil pode trocar de comando a partir de abril de 2018. Pelo menos 13 dos 26 prefeitos de capitais avaliam os cenários políticos para disputar o governo. Para isso, precisam renunciar aos mandatos conquistados em 2016 e entregar a chave das cidades nas mãos de seus vices. Em São Paulo, se sair candidato, João Doria (PSDB) passará o bastão para seu vice, Bruno Covas (PSDB). Já a prefeitura de Salvador seria assumida pelo desconhecido Bruno Reis (PMDB) caso o prefeito ACM Neto (DEM) concorra ao governo.

Troca-troca. Concretizada, a renúncia dos prefeitos vai alterar o quadro partidário nas capitais. O PSDB, por exemplo, pode perder Porto Velho, Belém e Maceió onde os vices são do PSDC, PSB e PP.

Lá e cá. O PMDB entregaria a prefeitura de Boa Vista, cujo vice é do PSD. Mas ganharia João Pessoa, Manaus, Natal e Bahia. O PT deixaria de comandar Rio Branco, que passaria para as mãos do PSB.

Redução. O governo trabalha com a informação de que, embora ainda seja muito forte no Nordeste, Lula teria hoje oito pontos porcentuais a menos em relação a sua popularidade na região em 2016.

Vem aí. Thereza Collor negocia trocar o PSDB pelo PPS para disputar o Senado em 2018 por Alagoas. Sobre a possibilidade de o Senado ter dois senadores com o mesmo sobrenome, caso se eleja, ela tem dito que o Collor dela é diferente do ex-cunhado Fernando.

Laboratório. Governistas avaliaram que a dificuldade em aprovar a TLP (nova taxa de juros do BNDES) no Congresso foi só um teste do que deve acontecer com o Refis. Alegam que o Centrão colocou a faca no pescoço do governo para conseguir seus interesses.

É briga. O Postalis denunciou o BNY Melon para a OCDE por ter sido negligente na administração dos recursos do fundo de pensão dos Correios, causando prejuízo de R$ 140 milhões.

Nada. O BNY Melon não se manifestou. O banco já negou a acusação.

Continua. O TJ de Minas gastou R$ 1,2 milhão com o pagamento de três juízes no mês de julho. Somente um deles recebeu R$ 461.153,91. O tribunal disse que os valores estão respaldados em decisões do CNJ.

Sem essa. Aloysio Nunes quer abolir a comissão criada para verificar a veracidade das informações dadas por pessoas que prestam concurso dentro da cota.

Aqui não. O chanceler diz que é preciso dar crédito a autodeclaração. Não cabe a uma comissão de diplomatas verificar isso.

CLICK. Integrantes da cúpula do DEM participam da filiação do deputado federal Alan Rick (centro), ex-PRB, no Acre. É a primeira filiação oficial do novo DEM.

Facebook Alan Rick

Consultoria gratuita. Um ministro ouvido pela Coluna acha complicado o Congresso ficar consultando o STF antes de decidir sobre a reforma política. Acredita que a Corte pode ganhar a imagem de “órgão consultor” do Congresso.

Amor bandido. Baleia Rossi garante que o movimento da bancada pela troca do ministro Antonio Imbassahy não é nada pessoal, mas entre o tucano e um peemedebista…

SINAIS PARTICULARES: Deputado Baleia Rossi (SP), líder do PMDB/por Kleber Sales

Pronto, Falei! 

“A legislação permite a manifestação política desde que não haja pedido expresso de votos nem campanha acintosa”, do ministro Admar Gonzaga, do TSE, sobre as pré-campanhas.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

prefeitoseleição 2018vices