Mercado duvida se Lula, caso eleito, reverteria privatização da Eletrobras

Mercado duvida se Lula, caso eleito, reverteria privatização da Eletrobras

Mariana Carneiro, Julia Lindner, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

19 de maio de 2022 | 05h01

Emissários do PT em conversas com investidores e empresários, Wellington Dias e Alexandre Padilha não têm sido questionados sobre o que o partido fará em relação à privatização da Eletrobras. A avaliação no mercado financeiro é a de que, muito embora os petistas estejam inconformados com a possível venda do controle da empresa, as chances de uma reversão em um eventual governo Lula são remotas. Tanto pela dificuldade jurídica quanto pela briga que o petista teria de comprar logo no início de governo. À Coluna, Dias e Padilha disseram que o PT tem de agir antes que a venda se concretize e se desviam quando questionados sobre o que ocorreria em 2023 sob Lula. Outros petistas, porém, querem levar a briga até o ano que vem.

O presidenciável Lula (PT). Foto: André Dusek/Estadão.

VER DE NOVO. Mesmo após a autorização dada pelo TCU ontem, deputados do PT, como Rogério Corrêa (MG), prometem fazer uma auditoria, caso a privatização de fato ocorra. “Quem comprar não vai poder reclamar depois, não é quebra de contrato se a venda não foi feita dentro da normalidade.”

LUPA. O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, prometeu a deputados e ao presidente da Câmara, Arthur Lira, avaliar se é possível usar parte da outorga da venda da Eletrobras para baixar os reajustes de luz ainda neste ano. Ele também ficou de dar uma resposta sobre o uso de crédito tributários de ICMS para esse fim em todos os Estados.

PRONTO, FALEI! Marcos do Val, senador (Podemos-ES)

“O momento pós-pandemia não é para se discutir aumento de salário de ninguém. O timing não é bom. Se tivéssemos crescimento econômico, tudo bem.”

CLICK. Deltan Dallagnol, ex-procurador da Lava Jato

Pré-candidato a deputado federal, ele viajou a Brasília, onde se encontrou com o senador e colega de partido Lasier Martins (Podemos-RS)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.