Médicos grevistas em SP ‘recrutam’ mais categorias para estender paralisação

Médicos grevistas em SP ‘recrutam’ mais categorias para estender paralisação

Alberto Bombig, Camila Turtelli e Matheus Lara

15 de janeiro de 2022 | 05h00

Movimento intenso na fila de vacinação contra a covid-19 e a Influenza na UBS Nossa Senhora do Brasil, no bairro da Bela Vista, zona central de São Paulo. Foto: Tiago Queiroz/Estadão.

A paralisação de médicos da rede pública municipal de São Paulo, marcada para a próxima quarta, 19, pode virar uma dor de cabeça ainda maior para a secretaria de Saúde do município. Diante de estranhamentos entre a Prefeitura e o sindicato que representa os médicos (Simesp) nos últimos dias, líderes da paralisação já têm articulado o apoio e a adesão de outras categorias da área da saúde, como enfermeiros e técnicos, com a aposta em estender a mobilização. A Prefeitura monitora e aposta as fichas em tentar reverter o ato numa reunião na segunda, 17, entre o sindicato e a equipe do secretário Edson Aparecido. Isso tudo em meio a um grave surto da Ômicron e da H3N2 na capital…

ALERTA. “Será só a primeira paralisação. Em dois anos de pandemia, resistimos ao máximo qualquer possibilidade de parar, mas a falta de medidas tem tido um efeito muito pior do que será uma paralisação”, disse à Coluna Victor Dourado, presidente do Simesp.

MOTIVO. Os médicos pedem contratação imediata de mais equipes para o atendimento de síndromes gripais, desobrigação de comparecimento em fins de semana e feriados e a retomada de espaços de discussão com a Prefeitura.

UÉ? A secretaria municipal de Saúde diz estar atendendo a categoria, cita a contratação de 280 profissionais e pagamento de 50% de horas extras. “A secretaria vê com estranheza a atitude de decretar uma greve neste momento. Marcamos a reunião e no mesmo dia, 13, de forma surpreendente, o sindicato comunicou a greve.”

CLICK. Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara

Deputado mostrou nas redes suas costas tatuadas com o poema A Janela Encantada, de Thiago de Mello, poeta amazonense que morreu ontem.

PEGA A PIPOCA. A retomada dos trabalhos no Conselho de Ética da Câmara na volta do recesso parlamentar em fevereiro promete. O colegiado deve receber a representação da Rede que pode resultar na cassação do deputado Josimar Maranhãozinho (PL-MA), suspeito de desviar recursos da Saúde.

ALVO. Também deve chegar às mãos do presidente do colegiado, Paulo Azi (DEM-BA), representações contra a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Bia Kicis (PSL-DF), acusada de ter vazado de dados de médicos.

ALVO 2. A avaliação entre parlamentares é de que Bia Kicis deverá enfrentar mais dificuldades do que Maranhãozinho para escapar do julgamento dos colegas na Comissão. Em outra frente, a bancada do PSOL protocolou representação no MPF pedindo que ela seja investigada pelo órgão.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Bia Kicis, deputada federal e presidente da CCJ (PSL-DF)

CHAMA O DORIA? João Doria (PSDB) terá Chico Mendez e Guillermo Raffo em sua equipe de marqueteiros para a corrida ao Planalto. Os dois trabalharam com Henrique Meirelles (MDB) em 2018 e popularizaram o “Chama o Meirelles”.

TOUR. O roteiro da pré-campanha de Doria já está definido: assim que se licenciar do cargo de governador, o tucano irá para Minas Gerais, onde passará pelo Triângulo Mineiro, a região metropolitana de Belo Horizonte e conhecerá o Vale do Jequitinhonha. Depois, “subirá” para o Nordeste, pulando de Estado em Estado. Depois, a sequência é: Norte, Centro-Oeste, Sul e Sudeste. / COLABOROU ADRIANA FERRAZ

PRONTO, FALEI! Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do grupo Prerrogativas

“Moro se recusa a debater conosco e com o Ciro e tem a prepotência de achar que pode debater com Lula. Já fugiu duas vezes. Mais uma e poderá pedir música.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.