‘Maioria dos senadores vai decidir na véspera’, diz líder do PT no Senado, Humberto Costa

‘Maioria dos senadores vai decidir na véspera’, diz líder do PT no Senado, Humberto Costa

Para senador, Lava Jato, cassação de Eduardo Cunha e a “ambição” de Temer em disputar 2018 vão virar votos para Dilma Rousseff

Coluna do Estadão

08 Agosto 2016 | 05h10

humberto

Senador Humberto Costa, por Kleber Sales

Faltando pouco tempo para a conclusão do impeachment, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), admite cansaço, mas diz que ainda conta com a Lava Jato, a cassação de Eduardo Cunha e a “ambição” de Temer em disputar 2018 para virar votos a favor de Dilma Rousseff. Terça-feira, o plenário votará a penúltima fase do processo. Para o petista, contudo, o resultado dessa votação não irá espelhar a decisão final, prevista para o final do mês. “Teremos tempo.” Ao olhar para trás, culpa a oposição, a mídia, o MPF e o Judiciário pelo infortúnio.

Impeachment
A votação significativa é aquela que ocorrerá no final do mês, quando vamos votar o afastamento. Em maio tivemos 22 votos. Só precisamos de mais 5 para garantir a continuidade da presidente Dilma. Estamos confiantes em que podemos conseguir esses votos.

Virar votos
A maioria vai decidir na véspera. Varias coisas vão pesar: os movimentos de rua, que vão acontecer agora neste mês; as ações da Lava Jato, que podem atingir o governo; o processo de cassação de Cunha e o convencimento das pessoas de que a gestão Temer está destruindo várias coisas que foram conquistadas no social.

Fora Dilma
Está claro para a população brasileira que, do ponto de vista constitucional, não há nada que justifique o afastamento da presidenta. O que estamos vivendo é uma tecnicalidade jurídica que quer tirar uma presidente eleita e substituir por alguém que não tem legitimidade.

Temer 2018
Você imagina que alguém vai sentar-se à cadeira da Presidência da República não vai pensar em se tornar candidato a reeleição? Esse vai ser um dos pontos de permanentes de tensão desse governo com a sua base e vai fazer muitos senadores a repensar o voto no impeachment. Para quem demonstrou a ambição e ganância que Temer demonstrou, é um desejo natural continuar como presidente.

Aliança com PSDB
Tudo que tem sido feito do ponto de vista do equilíbrio fiscal, para controlar a crise, vai totalmente de encontro àquilo que o PSDB vem pregando. Não é à toa que vemos integrantes do PSDB criticando o próprio Meirelles, não é o Temer ou gente da base dele, mas o próprio Meirelles pela forma irresponsável como o governo trata o ajuste fiscal.

Estilo Dilma
Ela tem uma característica diferente do presidente Lula. Isso tem um peso. Mas está lutando pelo mandato. Eu a vejo sempre com otimismo, descrevendo conversas que teve, pessoas que ela acha que poderão estar conosco…

Fim do PT
O PT precisa reafirmar a luta por uma cultura politica diferente no Brasil, assumir uma autocritica bastante profunda, mas acho que, diferentemente de outros partidos, que têm um desenho meramente cartorial, o PT tem grande condição de se reconstruir.

Rui Falcão
Acho que o partido está precisando de uma condução mais coletiva. Não que o Rui não tenha querido dar essa condução mais coletiva, mas precisamos renovar nossas direções, requalificá-las, para que esse trabalho coletivo esteja à altura dos desafios que estamos conduzindo hoje.

Sergio Moro
A grande aliança que está derrubando o governo Dilma envolve a mídia oligopolizada, a oposição, uma parte do Ministério Público e do Judiciário.

Legitimidade da Lava Jato
Foi um processo seletivo. Investigam-se os partidos que foram base dos governos de Dilma e Lula e não os partidos de oposição.

Lula em 2018
Temos que levar em conta que eles estão tentando consolidar a primeira parte do golpe, que é tirar a Dilma, e a segunda parte é inviabilizar a candidatura de Lula. Ele vai ser inocentado e será candidato.

PT na oposição
Não será uma política como eles fizeram, de geração de pautas-bomba, mas será uma aliança de oposição muito dura.

Entrevista a Andreza Matais