Maior parte ainda é contra adiar as eleições

Maior parte ainda é contra adiar as eleições

Coluna do Estadão

12 de maio de 2020 | 05h00

Foto: Romildo de Jesus / Futura Press

Líderes partidários já discutem informalmente, inclusive com Rodrigo Maia, o que fazer com o calendário eleitoral na pandemia. Sabem que será impossível fingir por muito mais tempo a inexistência do problema e seus riscos para a democracia. Um eventual adiamento das eleições, marcadas para outubro, depende de mudanças na legislação. Nos bastidores, ganha força a ideia de postergar o pleito para novembro ou dezembro. Neste momento, porém, a maior parte dos eleitores é contra o movimento, indica pesquisa feita sob sugestão da Coluna.

Deixa como está. Pesquisa realizada pelo Instituto Travessia mostra que 41% dos entrevistados defendem que as eleições sejam realizadas em outubro.

Veja bem. Já os que querem o adiamento para dezembro somam 27% dos entrevistados e 21% preferem que os mandatos dos atuais prefeitos sejam ampliados. Do total, 11% não souberam responder.

Método. A pesquisa foi realizada por telefone na sexta-feira (8) e foram entrevistadas 1.003 pessoas. A margem de erro é de 3 pontos porcentuais e o nível de confiança é de 95%.

E aí? O presidente do Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi, diz que manter o pleito em outubro pode pôr em risco a própria democracia, já que muitos não poderão fazer campanha ou votar, uma vez que são do grupo de risco.

E aí? 2. “Muitas pessoas que estão nessa situação participam da disputa. É justo isso? Tem gente que defende que as convenções partidárias sejam feitas por videoconferência, mas há muitos municípios sem acesso à internet”, disse à Coluna. Historicamente, o CNM defende eleição unificada.

E aí? 3. O presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizette, afirma que o calendário eleitoral já foi afetado e um adiamento do pleito pode prejudicar candidatos menos conhecidos da população. “Qualquer mudança terá que ser discutida de forma bem transparente”, disse.

CLICK. O grupo 342 Artes lançou “vaquinha” para ajudar o Amapá. A ideia é ampliar para outros Estados depois. Caetano Veloso é o garoto-propaganda da iniciativa.

Coluna do Estadão

Plano A. O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), reconhece que o isolamento social é hoje a única forma de frear o avanço do coronavírus. Mas, por enquanto, ele descarta a possibilidade de “lockdown”.

Regras. Segundo ele, o caminho ainda é conscientizar a população. “Mas não tem como partir para cima das pessoas, não tem como partir para agressão para que isso (isolamento social), efetivamente, aconteça. O nosso povo já está muito sofrido com essa pandemia”, afirmou à Coluna.

Otimista. Alvo de um processo de impeachment na Assembleia, o governador disse ter em mãos estudo mostrando que o Estado enfrenta o pico da pandemia. Segundo ele, na próxima semana os casos devem diminuir. A ver. Leia mais aqui. 

SINAIS PARTICULARES.
Wilson Lima, governador do Amazonas

Ilustração: Kleber Sales

Lei do… A Coluna questionou o Planalto: 1) todas as reuniões entre os ministros e o presidente são gravadas? 2) se sim, qual o motivo? 3) quantos vídeos foram produzidos até hoje desses encontros? 4) quem faz as gravações e onde elas ficam armazenadas?

…silêncio? Em nota, a Secretaria de Comunicação informou apenas que não iria responder. O vídeo da reunião em que Bolsonaro teria ameaçado Sérgio Moro deverá ser exibido hoje.

Explicação. O Psol apresentou requerimento à Câmara para convocar o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a prestar esclarecimentos sobre a manutenção do calendário do Enem. O partido defende o adiamento da prova por causa da pandemia. Argumentam que muitos alunos não têm amplo acesso à internet para aulas à distância

Mundo… O governo paulista obteve autorização da Procuradoria para realizar processos virtuais durante a pandemia e a participação de interessados nas concessões do governo Doria tem superado expectativas.

…digital. “Só para esta terça-feira (12), estão agendadas audiências da concessão do Zoológico e do Jardim Botânico e dos 22 aeroportos regionais”, diz o vice-governador Rodrigo Garcia, presidente do Conselho de Concessões e PPPs.

Jabuticaba. Leitor atento observa: o rodízio alternado, implantado por Bruno Covas, foi utilizado nos anos 70 na Nigéria.

PRONTO, FALEI!

O presidente do PT, Rui Falcão. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Rui Falcão, deputado federal (PT-SP) e ex-presidente do PT: “Sob o pretexto de combater o PT, o Partido Novo preferiu votar no genocida Bolsonaro e se alinhar ao retrocesso. O povo e a história não o perdoarão.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: