Maia terá ainda mais poder, preveem líderes

Maia terá ainda mais poder, preveem líderes

Coluna do Estadão

19 de janeiro de 2020 | 05h00

FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Se quiser fazer avançar seu governo, Jair Bolsonaro terá de conviver em harmonia com um Rodrigo Maia ainda mais poderoso neste ano, avaliam líderes do Congresso. É o preço a ser pago pelo presidente por não ter montado uma base de apoio clássica e sólida no Legislativo. Após a divisão do PSL, a fidelidade total ao Planalto está hoje limitada a mais ou menos 30 parlamentares. Vão andar os pontos da agenda governista que coincidirem com a pauta econômica da Câmara, o que não estiver em consonância, só no varejo, diz um desses líderes.

Nhami nhami. A estratégia do varejo tem entraves. O maior deles é a Casa Civil, desgastada sob o comando de Onyx Lorenzoni. O outro é a fome cada vez maior dos parlamentares por emendas. Um apetite inversamente proporcional à capacidade do governo de colocar comida na mesa.

Nome na lista… Entre os fiéis apoiadores de Jair Bolsonaro, não há pessimismo. Eles estão mapeando quem foram os parlamentares que mais votaram com o Planalto em 2019 para tentar uma aproximação.

…e pulseirinha. Outra estratégia será dar tratamento vip a relatores de projetos importantes para o governo e a presidentes de comissões especiais da Câmara e do Senado.

A conferir. Mais uma da série “ganha força o nome”: Marcos Pereira (SP), presidente do Republicanos, passou a ser cogitado para suceder Rodrigo Maia na presidência da Câmara.

SINAIS PARTICULARES.
Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados

Ilustração: Kleber Sales

Onde dói. Há preocupação no governo quanto ao Novo, parceiro do Planalto em 2019. As muitas e recentes caneladas de Bolsonaro na área das liberdades individuais e econômicas tem afastado do governo quadros do partido presidido por João Amoêdo.

Relax. É perto de zero, porém, a chance de o Novo virar as costas para as pautas de Paulo Guedes.

Pulga. Os bolsonaristas podem ter problemas com a poderosa CCJ da Câmara. Bia Kicis (DF), fidelíssima ao presidente, assumirá o comando da comissão, conforme acordo. Mas ela teme que seu tapete seja puxado pela ala do PSL controlada por Luciano Bivar (PE).

Fechado. André Quintão deverá mesmo ser o candidato do PT a prefeito de Belo Horizonte (MG), com a bênção de Patrus Ananias e Reginaldo Lopes.

Marcado. O ex-presidente Lula se encontrará esta semana com Marília Arraes para conversar sobre a disputa pela prefeitura do Recife (PE). A tendência no Diretório Nacional do PT é de apoio à candidatura dela.

CLICK. Alexis Fonteyne (Novo-SP) está lançando um podcast sobre as dificuldades de empreender no País. Quando jovem, ele já era inventor e criou o carro desta foto.

COLUNA DO ESTADÃO

Lá vem. A regulamentação pelo Executivo federal das apostas esportivas estava prevista para março próximo, mas deve atrasar mais um pouco. A consultoria jurídica da Economia avaliou que a medida precisa passar ainda pelo Ministério da Justiça para evitar brechas a práticas criminosas no texto final.

Colchão. Após consulta pública, a Economia mudou alguns pontos, dentre eles, o valor da reserva exigido pelo governo para o pagamento dos prêmios: saltou de R$ 18 milhões para R$ 30 milhões.

Sem preconceitos. Para membros da equipe econômica, essa regulamentação é importante, pois pode abrir caminho para a legalização dos cassinos no País.

PRONTO, FALEI!

Foto: Fernando Young

Paula Lavigne, empresária: “Ela é de direita mas não é nazista: redução de danos. Na situação de desmonte total da cultura que estamos vivendo, ter Regina Duarte pode ajudar”.

COM MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Coluna do Estadão
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao