Maia e oposição dialogam para recompor forças

Maia e oposição dialogam para recompor forças

Coluna do Estadão

27 de maio de 2020 | 05h00

Lula Marques/Câmara dos Deputados

A oposição a Jair Bolsonaro na Câmara conseguiu ver uma janela de oportunidade na recém-formada aliança do Centrão com o governo: a reaproximação com Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para líderes da oposição, o presidente da Casa, ao mesmo tempo que busca recompor parte da influência perdida com o avanço do governo sobre os partidos, precisa garantir uma sobrevivência após o término do seu mandato à frente da Câmara. Sobre uma eventual CPI contra Bolsonaro, Maia não se opõe, mas defende que a oposição se articule com o Senado.

Mapa. A Câmara hoje se divide em quatro: o Centrão (PP, PL Republicanos, Solidariedade e outros), o grupo de Maia (MDB, PSDB, DEM e Cidadania), a oposição e os bolsonaristas. Deputados avaliam, porém, que Maia não perdeu totalmente a conexão com o Centrão.

Agenda. Líderes de oposição dizem que concordam com os partidos do “Centrão de Maia” em pautas como a defesa das instituições, mas sabem que a aliança é limitada: na economia, em especial, não há possibilidade de convergência.

Média. O discurso de Rodrigo Maia, no qual cobrou respeito à democracia e harmonia entre os Poderes, ficou aquém do esperado pela oposição, mas ao menos cumpriu um papel institucional, segundo lideranças ouvidas pela Coluna.

CLICK. O senador Major Olímpio (PSL-SP) andou pela Rua 25 de Março, em SP, com uma caixinha de som pedindo um plano para reabertura do comércio na cidade.

Reprodução/Instagram

Opa. Em uma reunião com diretores da União Europeia para destravar acordos bilaterais do agronegócio, Tereza Cristina ouviu sobre a importância de a sustentabilidade ser tratada em conjunto nas conversas.

Vapt-vupt. A ministra estava pronta para responder sobre o aumento no desmatamento, mas a fala dos europeus sobre o tema foi breve (para alívio dos envolvidos). A reunião deve colher bons frutos em julho.

Visita-… Antes de comer cachorro-quente de rua no domingo, sob panelaços e pedidos de selfie, Bolsonaro resolveu passar na casa de Luiz Eduardo Ramos, sem avisá-lo.

…surpresa. Às pressas, o ministro fez um lanche para receber o chefe. Ofereceu até leite condensado para acompanhar o pão, como Bolsonaro demonstrou gostar na campanha.

SINAIS PARTICULARES.
Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo

Ilustração: Kleber Sales

De olhos… Governadores adversários e ex-aliados do presidente receberam com estranheza a operação da Polícia Federal contra Wilson Witzel. Temem que o presidente esteja aparelhando a instituição e que eles sejam os próximos alvos.

…bem abertos. Entre os governadores de oposição, há quem diga que é uma questão de tempo até que as operações comecem a aparecer pela região.

Vamos conversar? Vereadores de São Paulo se reúnem hoje com secretários municipais para tratar do projeto de lei da retomada econômica na capital. A articulação foi feita pelo presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma (PSDB), com o prefeito Bruno Covas (PSDB).

Ajuda. O diretório do Novo em São Paulo realizou uma live em que arrecadou R$ 21,7 mil para o braço municipal da legenda. Na conversa, que contou com a presença de Filipe Sabará e Marina Helena, candidatos a prefeito e vice, discutiu-se o papel do partido nas assembleias e na prefeitura da capital paulista.

BOMBOU NAS REDES! 

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADAO

Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República: “Coesão é o que se precisa para vencer o coronavírus e suas consequências desastradas na economia e no emprego”, sobre discurso de Rodrigo Maia na Câmara.

COM REPORTAGEM DE MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA (O EDITOR ALBERTO BOMBIG ESTÁ EM FÉRIAS). 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.