Lula é condenado por tentar enganar a Justiça

Lula é condenado por tentar enganar a Justiça

Coluna do Estadão

17 de outubro de 2018 | 05h30

Ex-presidente Lula. Foto: Paulo Brazil

O ex-presidente Lula foi condenado por litigância de má-fé, acusado de tentar enganar a Justiça no processo que envolve uma propriedade rural do petista em São Bernardo do Campo, ao lado do sítio Los Fubangos. O juiz da 1.ª Vara da Fazenda Pública José Carlos de França Carvalho Neto considerou que o petista prestou informações falsas à Justiça ao alegar que houve abuso de autoridade da parte da prefeitura que mandou embargar a construção de sua “unidade residencial para lazer”. A defesa de Lula nega a acusação e diz que vai recorrer.

Pega na mentira. Na sentença, o juiz diz que Lula “assegurara” em seu projeto que as obras não demandariam movimentação de terra, “o que não correspondeu à verdade”. O petista foi condenado a pagar multa de R$ 1 mil, correspondente a 10% da causa.

A obra. A “unidade residencial para lazer” de Lula tem 380 m2 e estava sendo construída numa área de 20,5 mil m2.

Logo agora! A defesa de Michel Temer já trabalha com a possibilidade de ele enfrentar uma terceira denúncia do MPF, após a Polícia Federal indiciá-lo no inquérito dos Portos.

Água fria. A notícia veio no momento em que Temer comemorava o sucesso da #ficatemer e a queda do índice de rejeição do seu governo, de 79% para 74%.

Renovação. A recém-eleita deputada Joice Hasselmann (PSL), aliada de Bolsonaro, foi incluída no conselho político da campanha de João Doria, da qual fazem parte políticos como Gilberto Kassab (PSD).

Fora… O clima dentro do QG de Fernando Haddad é de “barata voa”. As três lideranças, Gleisi Hoffmann, Jaques Wagner e o candidato, não se entendem.

War. Petistas também reclamam da imobilidade da campanha neste segundo turno. Haddad tem permanecido em São Paulo.

O muro. A escolha do ministro da Agricultura de Bolsonaro esbarra no Funrural. A UDR, de Nabhan Garcia, era favorável à extinção da dívida, enquanto a frente parlamentar, ao refinanciamento. O Senado prorrogou ontem o prazdo do Refis.

Terceiro turno. O deputado Capitão Augusto (PR-SP) já avisou ao partido que não abre mão de disputar a presidência da Câmara. Ele aposta nos 33 deputados do PR e nos mais de 70 ligados à segurança pública.

Fissura. O PR avalia romper com o Centrão caso a candidatura do Capitão Augusto ganhe força. Seu principal adversário, Rodrigo Maia (DEM) o chamou para conversar hoje.

No mercado. O senador Romero Jucá disse a aliados que fará consultoria agora que está desempregado.

CLICK. Um dos tucanos que defenderam a neutralidade no segundo turno da eleição presidencial, o senador José Serra defendeu nas redes sociais a Constituição. Haddad e o vice de Bolsonaro, Hamilton Mourão, já defenderam uma constituinte para alterar a Carta Magna.

Não perdoa. Temer assistiu ao programa partidário de Bolsonaro que mostra Cid Gomes criticando fortemente o PT. Inimigo de Ciro Gomes, irmão do senador eleito, o presidente resumiu: “É a fábula do sapo e do escorpião”.

Sinais Particulares: Cid Gomes, senador eleito pelo PDT-CE; por Kleber Sales

Menina dos olhos. Deputados federais eleitos pelo PSL têm sido convidados para rodas de conversa com o mercado financeiro. Há preocupação em conhecer o entorno de Bolsonaro e saber se eles estão dispostos a seguir a cartilha de Paulo Guedes.

Tô fora. Entre os 1.096 juristas que assinaram o manifesto em favor de Haddad não estão Cristiano Zanin e Valeska Teixeira, defensores de Lula.

PRONTO, FALEI!

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

“Precisamos voltar a ter convivência política no País. Não só no PSDB. Temos que botar água na fervura”, do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, sobre os desentendimentos que marcam a eleição.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM RAFAEL MORAES MOURA E RICARDO GALHARDO 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.