Líder do Novo cobra volta das aulas em SP

Líder do Novo cobra volta das aulas em SP

Coluna do Estadão

06 de fevereiro de 2021 | 22h25

Foto: José Antonio Teixeira

Quase um ano após o registro do primeiro caso de covid-19 no Estado de São Paulo, o governo tucano paulista ainda não conseguiu encontrar solução para minimizar o estrago da pandemia na Educação. Livre da influência política dos sindicatos de professores e demais trabalhadores da área, o Partido Novo é dos poucos a se levantar contra o prejuízo para o futuro das gerações menos favorecidas. “O impacto real está na vida das famílias e das crianças, que vão perder mais de um ano letivo”, diz o líder do Novo na Assembleia-SP, Daniel José.

Dedo… Segundo Daniel José, “quando os protocolos são seguidos, estar na escola é muito mais seguro do que em um shopping, do que em um restaurante”. O sindicato dos professores não concorda. Segundo a Apeoesp, as unidades não têm condições sanitárias de receber os estudantes.

…na ferida. Para o líder do Novo, o governo de João Doria (PSDB) precisa ter coragem de encarar o corporativismo. “Os sindicatos (dos professores) estão na melhor situação que eles podem estar desde sempre. Eles vão batalhar até o fim para as aulas presenciais não voltarem nunca”, diz o deputado estadual.

Explicação. O presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizete, quer esclarecimentos do Ministério da Saúde sobre a desativação de leitos exclusivos para pacientes com covid-19 no País. “É um descalabro se for verdade”, diz. De acordo com ele, em janeiro, o ministério informou que os leitos em uso seriam mantidos até março.

Dou fé. Leitura atenta de membro do Ministério Público paulista após o presidente do STJ, Humberto Martins, ter pedido à PGR que investigue atos de Deltan Dallagnol: cada vez mais as mensagens (trocadas entre a Lava Jato) são dadas como verdadeiras.

Dou fé 2. Martins pediu a abertura de apuração contra o ex-coordenador da Lava Jato no Paraná e Diego Castor de Mattos, que integrou a força-tarefa. Mensagens da Operação Spoofing, indicam a intenção dos procuradores de investigar membros do Superior Tribunal de Justiça.

Top secret. Os procuradores querem impedir o compartilhamento das mensagens com a defesa de Lula. O recurso será analisado na próxima terça-feira.

SINAIS PARTICULARES.
Deltan Dallagnol, procurador da República

Ilustração: Kleber Sales

Recuo… Em meio à iminente implosão do DEM, já tem gente no entorno de Luciano Huck dizendo que ele não vai se filiar a um partido político neste ano.

…tático? Para essa turma, o melhor a fazer é esperar a poeira baixar nos partidos e continuar de olho na popularidade de Bolsonaro.

Livro. O senador José Serra (PSDB-SP) acaba de lançar O Futuro Não Será Como Era, coletânea de artigos dele publicados no Estadão (2015-2020).

CLICK. Em nova coletânea de artigos, José Serra aborda as principais linhas de políticas públicas e o que ele denomina de “crise intermitente do presidencialismo”.

Reprodução/Coluna do Estadão

Livro 2. “Não é obra de crônicas nem de opinião. Serra trata de políticas públicas que vão da saúde, passando pela política externa até a política econômica, sem se limitar a críticas, mas apontando soluções”, diz José Augusto Guilhon Albuquerque, professor de Ciência Política e Relações Internacionais da USP.

Livro 3. “O forte são as análises dos rumos (ou da falta deles) nos governos Dilma, Temer e Bolsonaro, cujo principal fator de deterioração ele atribui à combinação de regime presidencialista com voto proporcional”, diz Guilhon, que fez a apresentação do livro.[

PRONTO, FALEI! 

Senador Major
Olimpio (PSL-SP). FOTO: ROQUE DE SÁ/AG. SENADO

Major Olímpio, senador (PSL-SP): “Neste momento delicado que o mundo passa, em especial, o Brasil, que chora seus quase 228 mil mortos, o que menos precisamos é politizar a vacina.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.