Líder do MBL pede renúncia de Alckmin e defende Bolsonaro

Líder do MBL pede renúncia de Alckmin e defende Bolsonaro

Coluna do Estadão

26 de setembro de 2018 | 23h49

FOTO: REPRODUÇÃO TWITTER

O candidato a deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), líder do Movimento Brasil Livre (MBL), postou nesta quarta-feira um vídeo, nas redes sociais, no qual pede que Geraldo Alckmin (PSDB) abra mão de sua candidatura à Presidência. Na mensagem, Kim afirma que o tucano sabe que “não tem a menor chance”, apesar de ter conquistado o apoio do Centrão, bloco que reúne o DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade, e defende Jair Bolsonaro (PSL), hoje líder nas pesquisas de intenção de voto.

Um dirigente do DEM disse ao Estado que Kim “fala por ele, e não pelo partido”. A Coluna aguardo contato da campanha de Alckmin.

Depois, dirigindo-se a Alckmin, o candidato do DEM prossegue, em tom apelativo. “Agora, faço um pedido para você (…) entrar para a história como um cara nobre, não só como mais um político antigo, que faz politicagem e que foi largado pela população e acabou sua carreira com uma derrota acachapante”, diz Kim. “Ou entra para a história como um dos políticos (…) que teve a nobreza de abrir mão da própria candidatura para acabar com um mal maior, ou acaba na lata de lixo da história, sendo simplesmente mais um politiqueiro, que fez uma articulação, conseguiu um bom tempo de TV, mas fracassou miseravelmente por causa da própria mesquinharia.”

Para o líder do MBL, o “mal maior” é o PT. No vídeo, Kim pede que Alckmin aproveite o tempo de TV na propaganda eleitoral e faça uma ofensiva contra o partido. “Você pode fazer essa função nobre de deixar um legado positivo para o Brasil. Depois de tantos anos apanhando do PT como você apanhou, sofrendo manifestações de sindicalistas, neste momento jogar contra Jair Bolsonaro e jogar a favor do PT é um erro histórico (…), é a pior coisa que você pode fazer”, insiste o candidato.

Tendências: