Justiça autoriza mandato coletivo em urnas do DF

Justiça autoriza mandato coletivo em urnas do DF

Coluna do Estadão

26 de setembro de 2018 | 05h30

Ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior. Foto: André Dusek/Estadão

O Tribunal Regional Eleitoral do DF autorizou o candidato a distrital Thiago de Ávila (PSOL) a aparecer nas urnas como “mandato coletivo”. Ele promete dividir a representação com outras três pessoas e ouvir ainda os eleitores de forma constante por meio de assembleias ou aplicativos de celular e redes sociais. Apesar de não haver previsão legal para esse tipo de pacto, a ideia foi proposta também pelo ex-ministro Miguel Reale Jr., que tentou, sem sucesso, unir os candidatos do Centro ao Planalto. Os presidenciáveis não compareceram ao encontro.

Controvérsia. O pacto levanta dúvidas. O ex-ministro do TSE Marcelo Ribeiro pondera que, para funcionar, depende-se de arranjos internos dos partidos. Não há garantia de que, se eleito, o titular da cadeira abrirá espaço para os demais.

Vão-se os anéis… Ao defender que a campanha do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) amenize os ataques ao rival Jair Bolsonaro (PSL), o senador tucano Cássio Cunha Lima (PB) diz pensar em salvar a candidatura de aliados do PSDB.

…ficam-se os dedos. Em conversas, o senador diz que, ao mirar o capitão reformado, o tucano atinge o eleitor anti-PT, que em 2014 votou com o PSDB

SINAIS PARTICULARES. Cássio Cunha Lima, senador (PSDB-PB); por Kleber Sales.

Desembarque. Vice do tucano Antonio Anastasia ao governo de Minas Gerais, Marcos Montes (PSD) disse em Patrocínio (MG) que, se Alckmin não melhorar nas pesquisas, a chapa deve apoiar Bolsonaro já no primeiro turno.

Dormindo com o inimigo. Partido do Centrão que mais preocupa a equipe de Alckmin é o PP da vice, Ana Amélia. A sigla demonstra ter pontes sólidas com Bolsonaro no Sul e no Centro-Oeste e com Fernando Haddad (PT) no Nordeste.

Tô out. Procurado por presidenciáveis para declarar apoio nestas eleições, o empresário Josué Alencar avisa: está bem longe do cenário eleitoral, em Seattle, nos Estados Unidos.

O elo. O presidente Michel Temer e Ciro Gomes (PDT) vivem às turras, mas algo os une: o urologista Miguel Srougi. O médico que atendeu Temer foi o mesmo que recebeu Ciro ontem no Hospital Sírio-Libanês.

Ação e reação. No Piauí, candidatos nas eleições proporcionais distribuem santinhos preenchidos com o nome do ex-presidente Lula. A prática, que leva o eleitor a votar no 13 acreditando que Lula ainda está na disputa, ocorre no interior.

É guerra. Diante do crescimento de Antonio Anastasia nas pesquisas, Dilma Rousseff (PT) elevou o tom dos ataques ao PSDB em Minas. Em vídeo que será divulgado hoje, ela diz que Anastasia e o senador Aécio Neves colocaram Temer no poder para “defender seus próprios interesses”.

CLICK. No processo de interiorização de venezuelanos, o governo transportou Princesa, uma poodle de 6 anos, que foi de FAB com a família para Canoas (RS).

Foto: Mauro Vieira/MDS

Procura-se. Thiago Lacerda Nobre deixará a coordenação da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo. Ele sairá para poder dedicar-se à chefia da Procuradoria da República em São Paulo, cargo que já acumula.

Recado dado. A Fundação Faap divulgou nota na qual se posiciona sobre a unidade de Ribeirão Preto ter usado em uma prova textos críticos a Bolsonaro. “A Fundação reitera sua posição apolítica, esclarecendo que o texto lá reproduzido não reflete a neutralidade da instituição.”

PRONTO, FALEI!

Ex-ministro do TSE Henrique Neves. Foto: Roberto Jayme/ Ascom /TSE

“O candidato nunca é uma pessoa única. Quando eleito, todos que estão a seu redor assumem o poder”, DO EX-MINISTRO DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL HENRIQUE NEVES, alertando para o entorno dos presidenciáveis.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao