Juízes dão jeitinho para repor auxílio-moradia

Juízes dão jeitinho para repor auxílio-moradia

Coluna do Estadão

21 Dezembro 2018 | 05h00

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Foto: Reprodução

Os Tribunais de Justiça de Mato Grosso do Sul e do Maranhão deram um jeito para que juízes compensem eventuais perdas financeiras em seus contracheques com a restrição do auxílio-moradia. Em MS, conseguiram aprovar na Assembleia a criação do auxílio-transporte, que pode chegar a R$ 7,2 mil, o equivalente a 20% dos salários – mesmo porcentual que recebiam de auxílio-moradia. No Maranhão, o TJ elevou o vale-alimentação para 10% da remuneração. A projeção é de que o valor fique em R$ 3,3 mil, o que compra dez cestas básicas/mês.

LEIA MAIS: Conselheiros pedem a Toffoli que impeça criação de auxílio-transporte de até R$ 7,2 mil em Mato Grosso do Sul

Limpinho. Por se tratar de verba indenizatória, os dois pagamentos não estão sujeitos ao desconto do IR e não entram na conta do teto.

Vai encarar? Em MS, a criação do auxílio precisa ser sancionado pelo governador Reinaldo Azambuja. A assessoria do tucano diz que ele ainda não analisou. Pelo preço da gasolina no Estado, é possível comprar até 10,5 mil litros/mês.

Se a moda pega… No Maranhão, o benefício custará por ano R$ 11 milhões ao tribunal. Procurada, a assessoria não respondeu.

Ele fica. Jair Bolsonaro garantiu à sua equipe que vai manter Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente, mesmo após condenação por improbidade. A regra de trocar os auxiliares nessa situação só vale, disse, em casos de corrupção.

Cadê o povo? Nenhum dos futuros secretários do MEC apareceu na última reunião com a atual equipe do ministério. O futuro chefe da pasta, Ricardo Vélez, alegou ao antecessor, Rossieli Soares, que os subordinados estavam procurando casa em Brasília.

SINAIS PARTICULARES – A SÉRIE

OS NOVOS MINISTROS

Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa; por Kleber Sales.

Infiltrados. O advogado Cassio Lobato, braço do PSL em Foz do Iguaçu, encaminhou carta à equipe de transição pedindo que nenhum nome fosse indicado para Itaipu sem um pente-fino. Alertou que petistas se desfiliaram para tentar uma vaga na empresa.

Bingo! Empossado ontem como conselheiro da Anatel, Moisés Queiroz foi escolhido para presidir o grupo que coordena a transição para a TV digital e administra um fundo de R$ 1 bilhão. A agência vai decidir onde aplicar a bolada.

Nova legislatura. O deputado federal eleito José Valdevan de Jesus Santos (PSC-SE) foi diplomado na cadeia, na última quarta. O plenário do TSE negou liberdade ao futuro parlamentar, mas uma liminar concedida pelo ministro Admar Gonzaga garantiu a diplomação no presídio.

Suspeita. Valdevan está em prisão preventiva acusado de aliciar testemunhas e dificultar a coleta de provas no processo que apura a utilização de “laranjas” para quitar dívidas eleitorais. Um oficial de justiça do TRE-SE foi até a cadeia.

LEIA MAIS: Deputado federal eleito é diplomado na cadeia

CLICK. O senador eleito por São Paulo Major Olímpio (PSL) fez questão de mostrar aos colegas que já recebeu o seu convite para a concorrida posse de Bolsonaro.

Check-in. A posse de Bolsonaro dobrou a taxa de ocupação dos hotéis de Brasília no réveillon, segundo balanço do setor. A ocupação média está em 67%.

Alerta. Fiscais da Receita entraram em operação tartaruga em Viracopos. É uma reação à determinação da Anac para que os servidores passem pelo raio X ao entrar em áreas restritas de segurança. O governo teme que a operação seja estendida a outros terminais.

PRONTO, FALEI!

“Os achincalhes e as agressões por motivações políticas não contribuem em nada para o Brasil”, DO DEPUTADO FEDERAL DANILO FORTE (PSDB-CE), sobre a troca de farpas entre deputados eleitos na diplomação.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao