‘Judiciário tem de ser pacificador’, diz Favreto em entrevista transmitida pelo PT

‘Judiciário tem de ser pacificador’, diz Favreto em entrevista transmitida pelo PT

Naira Trindade e Juliana Braga

10 Julho 2018 | 21h09

Nota atualizada às 22h. A entrevista foi concedida no ano passado e não hoje, como informou a Coluna inicialmente. A informação foi corrigida. 

Após o impasse envolvendo o desembargador do TRF-4 Rogério Favreto, que concedeu habeas corpus ao ex-presidente Lula no último domingo, o perfil do PT Sul no Facebook retransmitiu uma entrevista concedida ao jornalista Luís Nassif no ano passado. Na gravação, Favreto diz que o Judiciário precisa ser um órgão “pacificador” e que Judiciário e Ministério Público precisam ter atuação mais serena.

“É o momento em que o Judiciário e o Ministério Público têm que refletir, ter uma atuação mais serena e ser um pacificador nesse sentido. O Judiciário tem que ser um órgão de estabilização e equilíbrio entre os poderes. Não pode ser um outro órgão que aumente o conflito entre esses poderes”, afirmou.

Ao contrário do que a Coluna mostrou, a declaração não foi concedida ao vivo e sim republicada pelo PT na noite desta terça-feira. O desembargador deu três despachos pela soltura, mas foi desautorizado pelo relator do caso, Gebran Neto e pelo presidente do TRF-4, Thompson Flores. O juiz Sérgio Moro também se manifestou contrário.

O último despacho contrário foi dado nesta terça-feira, 10, pela presidente do Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz. Segundo ela, Favreto causou “perplexidade” e “intolerável insegurança jurídica”.  Laurita ter se tratado de um “tumulto processual sem precedentes na história do direito brasileiro”.

Em sua fala transmitida na noite desta terça-feira, 10, Favreto critica ainda a exposição antecipada de inquéritos penais. Segundo ele, anunciar a intenção de realizar uma investigação gera danos irreparáveis a pessoas citadas nessas circunstâncias . “Nós hoje invertemos as questões. Inicia-se um inquérito com uma coletiva, o que é extremamente preocupante, quando deveria haver uma investigação serena”, disse. (Naira Trindade e Juliana Braga)

Assista a partir do 28° minuto:

Entrevista desembargador Rogério Favreto

Entrevista desembargador Rogério Favreto

Publicado por Ptsul em Terça-feira, 10 de julho de 2018