Indicados de Temer vão investigar novo governo

Indicados de Temer vão investigar novo governo

Luiza Pollo

22 de outubro de 2017 | 05h30

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Michel Temer vai formar a Comissão de Ética Pública que será responsável por analisar a conduta dos ministros nomeados pelo próximo presidente da República. A partir de março de 2018, Temer dará início à renovação do colegiado, trocando cinco dos sete integrantes. Todos que serão substituídos foram indicados pela ex-presidente Dilma Rousseff. O primeiro a sair será Américo Lacombe, nomeado pela petista em 2012. Desde que Temer assumiu, em maio de 2016, 20 dos seus 28 ministros já foram investigados pela comissão.

Sem trégua. A atual composição da Comissão de Ética tem sido rígida nas recomendações. Com Dilma no cargo, pediu demissão de ministro, de diretor de agência reguladora e ressarcimento de verba.

Trampolim. O cargo de conselheiro da Comissão de Ética Pública é disputado. Por lá já passaram a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, e o ex-ministro Sepúlveda Pertence. Os dois indicados pelo então presidente Lula.

Vai começar… A recente crise entre Temer e Rodrigo Maia deixou tenso o início do jantar de aniversário do ministro Moreira Franco na casa do deputado Alexandre Baldy (Pode-GO), quinta. Demorou para o ambiente distensionar.

…tudo de novo. Quando o clima melhorava, a capa da revista IstoÉ dizendo que Maia atuou para sabotar Temer pôs tudo a perder. Ministros precisaram convocar deputados-bombeiros para apagar chamas.

Dose dupla. As CPIs do BNDES e da JBS vão interrogar, simultaneamente, os irmãos Joesley e Wesley Batista, da JBS. Deputados e senadores esperam puxar a língua dos delatores.

Traga pra cá. Os dois estão presos em São Paulo e precisarão ser transferidos para Brasília para depor no Senado. O presidente da CPMI da JBS, Ataídes Oliveira, não aceita ouvi-los na superintendência da PF.

Regras. Joesley só poderá ter contato físico com suas visitas a partir de 30 de novembro. Até lá, conversas só pelo parlatório.

Venha. Dirigente do PRB, o ministro Marcos Pereira convidou a deputada Bruna Furlan (PSDB-SP) para concorrer ao Senado pela sigla em 2018, quando ela completa 35 anos, idade mínima para disputar a vaga.

18. A chapa dos sonhos do PRB é Geraldo Alckmin presidente; Bruna e Aloysio Nunes (PSDB) para o Senado e Pereira deputado. A sigla acha que Bruna pode tirar votos da veterana Marta Suplicy (PMDB).

CLICK. O senador Romário criticou pelo Twitter o Ministério do Esporte, que não divulga desde 2011 relatórios de prestação de contas do Comitê Olímpico.

Na espera. O Supremo ainda não encaminhou para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, alegação da Odebrecht de que houve vazamento da delação de seus executivos em vários países, especialmente na Venezuela.

SINAIS PARTICULARES. Raquel Dodge, procuradora-geral da República. Ilustração: Kleber Sales

Fatos. A notícia-crime chegou ao Supremo no dia 17. Na época dos vazamentos, o procurador era Rodrigo Janot. Na PGR, é dada como certa abertura de investigação para apurar a acusação da empreiteira.

 

A SEMANA

Terça-feira, 24

Aécio Neves decide se deixa a presidência do PSDB

Presidente licenciado do partido, o senador prometeu à bancada uma definição sobre sua permanência no cargo.

Quarta-feira, 25

Câmara vota a segunda denúncia contra Michel Temer

Deputados vão decidir em plenário se autorizam a abertura de processo contra o presidente como pediu a PGR.

 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU VERA ROSA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

 

Tendências: