‘Indecisos’ sofrem ciberbullying de grupo

‘Indecisos’ sofrem ciberbullying de grupo

Coluna do Estadão

16 de novembro de 2019 | 05h00

Congresso Nacional. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Sob pressão, parlamentares de diversos partidos estão perdendo a paciência com movimentos favoráveis à prisão após segunda instância. Eles alegam que o placar publicado pelo Vem Pra Rua foi feito sem ouvi-los e, agora, quem aparece como indeciso sofre ciberbullying em seus perfis. Aos incomodados, o grupo explica que o levantamento tem por base manifestações nas redes sociais e outros canais de comunicação. Na conta do Vem Pra Rua, 258 deputados e 48 senadores são a favor da PEC. Os indecisos somam 184 na Câmara e 25 no Senado.

Na veia. O grupo tem feito postagens conclamando seus apoiadores a cobrarem diretamente dos parlamentares uma mudança ou uma tomada de posição favorável à prisão após julgamento em segunda instância.

Mais. As pressões via redes também partem de outros grupos simpáticos ao presidente Bolsonaro.

De olho. O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos coordenadores do MBL, solicitou audiência com o ministro do TSE Og Fernandes. Quer saber a quantas anda a consulta feita pelo grupo sobre a possibilidade de utilização das assinaturas digitais para a criação de partidos.

CLICK. O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) trouxe da China para a coleção de seu pequeno José Umberto a camisa da seleção chinesa. O ‘boleirinho’ vibrou.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Prestígio. A bancada de Santa Catarina recebeu R$ 130 milhões em emendas coletivas empenhadas. Apesar de o valor autorizado ser o mesmo para todas, SC desponta em valor empenhado. A do Pará teve pouco mais de R$ 1 milhão.

Prestígio 2. Vice-líder do governo na Câmara, Rogério Peninha (MDB-SC) diz que a liberação é reflexo da aproximação com o Planalto, já que o presidente Bolsonaro teve 75% dos votos no Estado. Entre os 16 deputados, 15 são governistas.

‘É nóis’. Segundo o deputado, o presidente havia prometido atenção especial ao Estado, o sexto que mais arrecada e o 16.º no retorno de investimentos. “O governo tem atendido bem nossa Santa Catarina”, afirma.

Tô fora. A bancada catarinense também foi a primeira a se reunir com Jair Bolsonaro. Pedro Uczai (PT-SC) foi o único a não comparecer à reunião. Uczai teve pouco mais de R$ 10 milhões empenhados.

Último recurso. O Exército acompanhou a distância o desenrolar da invasão à Embaixada da Venezuela em Brasília. A determinação era aguardar que todas as alternativas diplomáticas se esgotassem antes de qualquer intervenção. A Polícia Militar fez a segurança de quem esteve lá.

Fora de época. Em Brasília, a reunião do Brics foi comemorada pelo forte esquema de segurança que tornou a semana ainda mais curta com pontos facultativos. Ganhou até um apelido: “CarnaBrics”.

SINAIS PARTICULARES
Vladimir Putin e Jair Bolsonaro, participantes do encontro do Brics

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Modo… Em setores do meio jurídico, a polêmica criada em torno da solicitação do ministro Dias Toffoli está sendo interpretada como uma cortina de fumaça para o cerne da questão: quais foram as autoridades que acessaram esses dados sem o aval da Justiça? E sob quais fundamentos?

…de ver. “É claro que a prioridade deve ser o sigilo das informações, mas, até para resguardá-lo, as solicitações do STF foram convenientes, lícitas e oportunas”, diz Marco Aurélio de Carvalho, do grupo de juristas Prerrogativas.

BOMBOU NAS REDES!

Ciro Gomes. FOTO: TABA BENEDICTO/ESTADÃO

Ciro Gomes, ex-governador, ex-ministro e presidenciável do PDT: “A preocupação do Lula não é o Brasil, é a sua turma, é o PT, é o PT quadrilha”, em entrevista à Rádio Gaúcha, ao comentar declarações do ex-presidente.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU LARISSA GASPAR.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: