Helder Barbalho: ‘PMDB protagonizará eleições em 2018’

Helder Barbalho: ‘PMDB protagonizará eleições em 2018’

Coluna do Estadão

19 de setembro de 2016 | 06h00

Kleber Sales/Estadão

Kleber Sales/Estadão

 

Ministro do governo Dilma Rousseff que manteve-se na Esplanada na gestão Michel Temer, Helder Barbalho (Integração Nacional) defende que o PMDB seja protagonista nas eleições presidenciais de 2018. “Nenhum partido pode cobrar que o PMDB não seja protagonista”, disse o ministro à Coluna. Ao contrário de colegas que tentam contemporizar a situação, ele deixa em aberto a possibilidade de Temer ser candidato. “Nenhum partido tem nome. Quem tem três nomes não tem nenhum”, disse Barbalho em alusão ao PSDB.

Transposição
O andamento das obras está chegando a 90% da execução, com os dois canais. Hoje estamos com R$ 9 bilhões e uma fração. Há uma estimativa que faça realinhamento de prazo para 2017 e essa obra deve chegar à casa de R$ 10 bilhões.

PPP
A operação da transposição, num período nos próximos anos, eu acredito que seja colocada numa alternativa de parceria público-privada. Num primeiro momento, a operação será pública, mas discutindo com a iniciativa privada um interesse nesse sentido.

Manifestações anti-Temer
Toda manifestação numa democracia é legítima e deve ser interpretada desta forma pelas suas representações políticas. O governo tem que ter a capacidade de entender o que é manifestação partidária e o que é manifestação da sociedade. Se for partidária, faz parte da democracia. Se for uma manifestação da sociedade, precisa ter um entendimento do governo.

Ajuste fiscal
O presidente Temer tem todas as condições de construir a melhor estratégia para o sucesso desta pauta, que não é de um partido ou governo, é uma pauta fundamental para o país, sob pena de as futuras gerações terem mais dificuldades do que nós, hoje, no aspecto fiscal, orçamentário.

Ajuste e eleições
Essas eleições são municipais. As pessoas querem saber o que terão do prefeito da cidade, se ele vai cuidar, se vai pensar a cidade nas coisas básicas, nas questões amplas e estratégicas.

Perda de direitos
O presidente Michel Temer está buscando encontrar uma solução para o problema com que ele se depara. Qualquer coisa diferente disso, sinceramente, é frágil e menospreza a inteligência do povo brasileiro.

PMDB e governo
O PMDB tem absoluta compreensão da sua missão, da sua responsabilidade de ser o partido do presidente da República e será solidário com o presidente de forma integral. Sou daqueles que prefere valorizar o que nos une e os pontos que demonstram essa união.

Críticas de PSDB e DEM
Esses partidos foram à sociedade brasileira, se unindo em torno do presidente Michel Temer, se apresentar como uma alternativa. Todos desejam, acredito, o sucesso dessa alternativa, sob pena de a população não entender. Fora da crítica construtiva a sociedade vai entender que não estão preocupados com um projeto de Brasil, estão preocupados com projeto eleitoral, de poder. Se for por esse viés, acho que é um equívoco. Tem que ser crítica construtiva, não de oportunismo político e eleitoral.

Nacionalização das eleições
É um equívoco interpretar o resultado da eleição por Brasília. A nacionalização da eleição municipal poderá ser utilizada contra o PT. Fora isso, não acredito.

2018
Nenhum partido pode cobrar que o PMDB não seja protagonista.

Temer candidato
Essa é uma discussão que o presidente, exclusivamente, é quem deve abordar. Nenhum partido tem um nome. Quem tem três nomes não tem nenhum, desculpa dizer isso.

Expectativa
Há uma expectativa na sociedade. O prazo é curto (para o governo se fiar na expectativa). Este é um governo que precisa dar respostas o mais rápido possível. A população não está disposta a dar prazo de carência para a classe política. O presidente tem cobrado que todos ajam e entreguem antes do prazo.

ENTREVISTA A DANIEL CARVALHO

Ilustração: Kleber Sales

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.