Haddad omite valor real de bem à Justiça Eleitoral

Haddad omite valor real de bem à Justiça Eleitoral

Coluna do Estadão

02 Outubro 2018 | 05h30

Fernando Haddad, candidato do PT ao Planalto Foto: Rafael Arbex/Estadão

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, informa na sua declaração de bens ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter um apartamento no valor de R$ 90 mil. O registro do cartório, contudo, mostra que ele comprou o imóvel, em 1998, por R$ 120 mil. No mesmo ano, Haddad adquiriu uma garagem no local por R$ 20 mil, informação que também omite na declaração entregue ao TSE. O petista diz que o total do seu patrimônio é de R$ 428,4 mil. O valor é inferior ao que ele declarou em 2016 na disputa pela Prefeitura, R$ 451,9 mil.

Com a palavra. A assessoria de Haddad diz que “a diferença entre o que ele declarou e o valor pago (pelo apartamento) está na declaração da Ana Estela, sua esposa”. Os dois, contudo, são casados em comunhão de bens e o registro de imóvel não diferencia o valor que cada um desembolsou.

Deixa como está. O apartamento, onde Haddad mora com a família, tem valor venal de R$ 997,9 mil. Ele não é obrigado a atualizar o valor e diz que não vai fazê-lo. Se isso ocorresse, o patrimônio declarado do candidato do PT ultrapassaria um milhão de reais.

Primo rico… A campanha de Haddad já arrecadou 22 vezes mais do que a do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Os dois lideram as pesquisas de intenção de voto. O petista recebeu R$ 28,7 milhões, enquanto o ex-capitão, R$ 1,3 milhão.

…primo pobre. Levando em consideração as despesas já contratadas, Haddad já empenhou 2,7 vezes mais recursos. Bolsonaro gastou R$ 1,2 milhão e o petista, R$ 3,3 milhões.

Telefone sem fio. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, é frequentadora do apartamento de José Dirceu em Brasília. Em entrevista ao portal 180º, do Piauí, o petista disse que não fala com Lula desde 2013. “Não há necessidade de eu visitar o Lula. Eu tenho canais para conversar com ele”, contou.

SINAIS PARTICULARES: Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT; por Kleber Sales

Casulo. Bolsonaro não deve mesmo ir ao último debate da TV Globo, quinta-feira. Além do seu estado de saúde, aliados dizem que nos debates suas declarações são distorcidas pelos oponente. Prefere continuar fazendo monólogos.

Programático. Em delação premiada, Antonio Palocci relata ter indicado a Lula manter Rogério Manso, nomeado por FHC, numa diretoria da Petrobrás. Segundo ele, seria uma forma de agradar ao PSDB para aprovar as reformas.

Pragmático. Palocci conta que Manso não durou muito tempo no cargo porque não participou do esquema de corrupção na estatal. Foi substituído por Paulo Roberto Costa, indicado pelo PP, na época grande apoiador do governo.

Ops! A campanha de Henrique Meirelles (MDB) gravou um vídeo em que o narrador diz que “uns votam no PT porque não querem Bolsonaro, outros votam em Bolsonaro porque não querem o PT”. Ao final, diz que isso “vai dar m…”. Meirelles, porém, pediu para trocar o palavrão por ruim.

 

CLICK. O pastor José Wellington, presidente emérito da Assembleia de Deus, recebeu de aniversário ontem um vídeo de Jair Bolsonaro felicitando-o pelos 84 anos.

FOTO: REPRODUÇÃO VÍDEO

Retribuição. Em seguida, o líder religioso anunciou seu voto no militar. A igreja, contudo, ficará neutra. “De todos os candidatos, o único que fala o idioma do evangélico é Bolsonaro. Não podemos deixar a esquerda voltar ao poder.”

#FICAADICA

Ricardo Lacerda Foto: Nilton Fukuda/Estadão

“Seja quem for o eleito, a prioridade tem que ser a estabilidade econômica, redução do déficit público e inflação baixa para o País voltar a crescer”, RICARDO LACERDA, CEO e sócio-fundador do BR Partners.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao