Haddad acena a PSDB e mulheres por 2º turno

Haddad acena a PSDB e mulheres por 2º turno

Coluna do Estadão

18 de setembro de 2018 | 05h30

Candidato à Presidência, Fernando Haddad. Foto: Divulgação/Fernando Cavalcanti

Fernando Haddad se movimenta para afastar o rótulo de que é o único candidato a perder para Jair Bolsonaro no segundo turno. O petista já fez dois movimentos nesse sentido. Durante sabatina do Jornal Nacional, gastou mais tempo para defender Dilma Rousseff do que Lula. Quer, com isso, ganhar a simpatia das mulheres, grupo que mais rejeita o capitão reformado. Paralelamente a isso, sinaliza que pode conversar com o PSDB. O propósito é mostrar que tem maior capacidade de união, além de deixar caminho aberto para uma coalizão no futuro.

Martelando. “Tem muitas pessoas que apoiaram o golpe e estão revendo sua posição. O próprio PSDB já fez uma autocrítica. Isso constrói possibilidades de diálogo”, disse Haddad ontem, citando Tasso Jereissati, que ao Estado disse ter sido um erro apoiar Temer.

Pedalando. Em prol do eleitorado feminino, o presidenciável petista vai começar a dizer que há um aspecto misógino no impeachment de Dilma Rousseff.

Queda… A artilharia contra Bolsonaro gera controvérsia na campanha de Alckmin. Uma ala avalia que ele deve mirar no PT e não num candidato que hoje representa a indignação do eleitorado. Ao atacar o militar, o eleitor que vota numa ideia se sentiria, atingido.

…livre. Alckmin não deve trocar a sua equipe de comunicação, o que espanta seu entorno. Diz um aliado: não se mexe em time que está ganhando, mas manter time que está perdendo nunca vi.

Pote de ouro. Os recursos do Sistema S entraram na mira da eleição presidencial como saída para minimizar o déficit de R$ 139 bilhões em 2019. O economista de Bolsonaro, Paulo Guedes, em suas palestras para o mercado, prega acabar com todo os repasses.

Tá fácil. Entre Bolsonaro e Haddad, lideranças do Centrão no NE ficam com o petista num eventual 2.º turno. O capitão reformado é visto como o antipolítico.

Uni-duni-tê. A Junta de Execução Orçamentária se reúne hoje para decidir quais obras receberão dinheiro. O governo mapeou as que exigem pouco recursos para serem concluídas.

Transição… A Casa Civil vai pôr à disposição um sistema informatizado para a equipe de transição do próximo presidente. Será dada uma senha, pela qual será possível acessar todos os dados da atual gestão.

…digital. O sistema já existia, mas estava desatualizado. Na semana passada, o secretário executivo da Casa Civil, Daniel Sigelmann, reuniu-se com os secretários dos demais ministérios para organizar a tarefa. Pretende-se reunir todos os dados também em um livro, a ser entregue ao sucessor de Temer.

CLICK. A eleição em Alagoas pega fogo. Após ser chamado de “velhaco” por Renan Calheiros, o deputado Arthur Lira o chamou de traidor de Collor, FHC, Dilma e Temer.

Deputado Arthur Lira (PP-AL). Foto: Reprodução.

OS CONSELHEIROS

SINAIS PARTICULARES. Christian Lohbauer, vice e conselheiro de João Amoêdo (Novo); por Kleber Sales.

Recado. O juiz Marcelo Bretas, da Lava Jato no Rio, tem curtido posts de Jair Bolsonaro no Twitter. Ontem, escreveu em cima de um link que mostra o candidato do PSL na frente nas pesquisas a mensagem: “É chegada a hora da decisão”, sem mencioná-lo.

Sumiu. No dia em que Bolsonaro sofreu o atentado, o juiz pediu orações pelo “pronto restabelecimento”. Ontem à noite, a maioria dos posts de Bretas havia sido apagada, incluindo os citados. Procurado, não respondeu. Como juiz, a lei o proíbe de declarar voto.

#FICAADICA

Empresário Abilio Diniz. FOTO: Amanda Perobelli/Estadão

“O próximo presidente precisa ouvir os empresários. São as empresas que vão criar os empregos que o País precisa e pagar impostos que financiam programas sociais”, DO PRESIDENTE DO CONSELHO DA PENÍNSULA PARTICIPAÇÕES, ABILIO DINIZ.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao