Guedes recebe proposta de fusão de BNDES, BNB e BASA

Guedes recebe proposta de fusão de BNDES, BNB e BASA

Coluna do Estadão

02 Dezembro 2018 | 05h30

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, tem recebido sugestões para fundir o Banco do Nordeste (BNB) e o Banco da Amazônia (Basa) com o BNDES, mas afirmou a interlocutores que não gosta da ideia. Como as três instituições têm a mesma atribuição, embora duas delas com foco regional, os defensores dizem que a fusão geraria economia de despesas com o funcionamento. Os cargos no BNB e no Basa são tradicionalmente loteados por políticos. O comando dos dois bancos, por exemplo, está nas mãos de indicados do MDB do Senado.

Classificados. O economista Marcos Holanda, ex-presidente do BNB no governo Dilma Rousseff, é cotado para voltar ao cargo. Ele é colega de Joaquim Levy, futuro presidente do BNDES. Ambos tem mestrado em economia pela FGV.

O diabo mora… Pelo menos dois ministros que integram a Segunda Turma do Supremo apostam que o julgamento do novo pedido de liberdade do ex-presidente Lula não será concluído neste ano. O HC está na pauta de terça, 4.

…nos detalhes. O problema está na fundamentação. A defesa diz que houve parcialidade de Sérgio Moro na condenação do petista. E ninguém quer entrar em rota de colisão com o futuro superministro.

Quem não chora… O presidente do DEM, ACM Neto, procurou o líder do PP, Arthur Lira (AL), para demovê-lo da ideia de disputar a presidência da Câmara em nova frente contra Rodrigo Maia. Saiu satisfeito.

…não mama. Em troca, Lira deve ser indicado pelo Centrão para presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), uma das mais importantes da Casa Legislativa.

Online. Na audiência em que acertou os detalhes da saída de Antônio Palocci da prisão, o juiz pediu para ele estar o tempo todo acessível caso haja problemas com a tornozeleira.

Tsunami. A eventual fusão entre as carreiras de auditor fiscal da Receita e do Trabalho pode abrir uma nova crise na Receita Federal. A Unafisco alerta que essa incorporação “desvaloriza o trabalho de ambas as carreiras”.

Copo enchendo. A mais recente insatisfação começou após a indicação de Marcos Cintra (que não é servidor de carreira) para a secretaria especial de Previdência e Receita, uma das seis subordinadas ao superministério da Economia, que será comandado pelo economista Paulo Guedes.

CLICK. O governo de João Doria (PSDB) deve ter mais um ministro de Temer. A previsão é de que ele leve Alexandre Baldy (PP) para a Secretaria de Transportes.

Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, e governador eleito de São Paulo, João Doria. Foto: Divulgação

Pulando etapa. Na sexta, Baldy firmou com o governador eleito João Doria, e não com o atual, Márcio França, compromisso de investir de R$ 121 milhões no Estado em obras de saneamento básico.

Ingratos. Romero Jucá não esconde a contrariedade com bolsonaristas que criticam Temer. “Fizemos a transição do desastre da Dilma para um País pronto para seguir em frente”, diz ele, que reassumiu a liderança do governo no Senado.

SINAIS PARTICULARES. Romero Jucá, líder de governo no Senado; por Kleber Sales.

A SEMANA

Terça-feira, 4

Câmara pode votar repasses de recursos a municípios

Projeto permite receber recursos de Estados e da União mesmo se as despesas de pessoal estiverem acima do limite legal.

Terça-feira, 4

Conselho de Ética da Câmara aprecia parecer contra petistas

Paulo Pimenta, Paulo Teixeira e Wadih Damous são acusados de má-fé por pedido de soltura de Lula no plantão da Justiça.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM ADRIANA FERNANDES, ADRIANA FERRAZ E VERA ROSA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao