Governo vai dizer nas redes que herdou ‘batata quente’

Governo vai dizer nas redes que herdou ‘batata quente’

Coluna do Estadão

16 Junho 2018 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

No momento em que o presidente Michel Temer enfrenta seu pior índice de rejeição (82%), o governo fará um contra-ataque nas redes sociais para dizer que está tentando resolver problemas que herdou dos governos do PT. Em dez vídeos de um minuto e meio, que começam a ser divulgados na segunda-feira, atores contratados pela equipe digital do Planalto dizem que Temer assumiu “a batata quente” e que “na economia não existe solução mágica”. “Temer se colocou como uma ponte para tirar o País da lama e levar para um local legal”, diz uma atriz.

Luz, câmera… Num dos vídeos, qual a Coluna teve acesso, um ator frisa que “Temer encontrou o Brasil com índices de um país em guerra”. E compara: “É como se o presidente estivesse reformando a casa com a pessoa morando dentro”.

…ação. A greve dos caminhoneiros é um dos assuntos abordados na nova campanha do governo. Vai mostrar que os motoristas não tinham reivindicações atendidas desde 1998, quando fizeram uma grande paralisação.

Corta! Um dos vídeos previstos no roteiro era para dizer que a PF tem liberdade para atuar. A gravação, porém, foi suspensa. Desde que assumiu, Temer já substituiu duas vezes o diretor-geral da instituição.

Oásis. Com o Supremo derrubando a prerrogativa de foro para tudo quanto é cargo, vagas de chefe de missão diplomática no exterior e de embaixador passaram a ser cobiçadas por políticos. Os ocupantes ainda mantêm o privilégio.

Fim do túnel. Aliados do presidente Temer voltaram a especular a possibilidade de ele ser nomeado embaixador no exterior no fim do governo justamente para que as investigações contra ele não baixem para a primeira instância.

Bolão. As campanhas de Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) apostam que Fernando Haddad será o candidato do PT ao Planalto. O partido insiste em lançar Lula, que deve ser barrado pelo TSE.

Melhor de todos. O presidente do PDT, Carlos Lupi, principal fiador de Ciro Gomes, diz que Haddad “não tem votos no Nordeste, mas tem o Lula”.

Água mole… O senador Fernando Collor (PTC) voltou a representar contra o ex-PGR Rodrigo Janot. Ele alega que seu desafeto não é mais o chefe da PGR e, portanto, esse não pode ser mais um motivo para o CNMP engavetar suas denúncias. Entre elas, “escolha seletiva de alvos da Lava Jato”, da qual é réu.

Na mira. Collor também representou contra o promotor Claudio Portela do Rego. Acusa-o de ter arquivado monocraticamente, quando corregedor do CNMP, suas flechadas em Janot.

SINAIS PARTICULARES: Fernando Collor, senador; por Kleber Sales

CLICK. Três meses depois da morte da vereadora Marielle Franco, o MPF batizou com seu nome uma das salas da 1.ª Conferência Nacional das Procuradoras da República.

FOTO: Breno Pires

Livre acesso. Durante as buscas da operação Registro Espúrio, a PF encontrou três chaves do apartamento funcional do deputado federal Paulinho da Força (SD-SP) na casa do ex-secretário de Relações do Trabalho Carlos Lacerda.

Na mão. Além das chaves, encontradas no bolso do paletó de Lacerda, a PF apreendeu R$ 116 mil em espécie na casa do ex-secretário. Segundo a investigação, o esquema de fraude nos registros sindicais ocorria na diretoria de Lacerda. A Coluna não o localizou.

PRONTO, FALEI!

Foto: Estadão Conteúdo

“Para o mundo, fica melhor. Você tem um fato de tensão que se dasanuvia”, DO MINISTRO DE RELAÇÕES EXTERIORES, ALOYSIO NUNES, sobre o encontro do presidente americano Donald Trump com o coreano Kim Jong-un.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE. COLABOROU FABIO SERAPIÃO

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão