Governo turbina ação de primeira-dama em 2018

Governo turbina ação de primeira-dama em 2018

Luiza Pollo

24 de dezembro de 2017 | 05h30

Foto: Beto Barata/PR

Em um esforço para consolidar marcas na área social e tentar alavancar a popularidade do presidente Michel Temer, o Planalto vai turbinar o programa Criança Feliz. O orçamento da iniciativa, que tem a primeira-dama Marcela Temer como embaixadora, vai dobrar de R$ 300 milhões para R$ 600 milhões, podendo chegar a R$ 900 milhões numa expectativa mais otimista. Em pleno ano eleitoral, Marcela intensificará a agenda pública com viagens para acompanhar a implantação do Criança Feliz, que atende cerca de 180 mil pessoas.

Bora ler. Em janeiro, Marcela participa de solenidade em que será formalizada parceria do governo com o Itaú Social, para a distribuição de 10 milhões de livros.

Ô de casa. Voltado para a primeira infância, o Criança Feliz promove visitas domiciliares para apoiar gestantes e cuidar de crianças em situação de vulnerabilidade.

Você decide. A indefinição no PSDB sobre quem será o candidato do partido ao governo paulista gera um fato curioso. Um peemedebista explica: quem conversa sobre o tema em Brasília sai certo de que será José Serra. Se a prosa for em SP, não há dúvidas de que será João Doria.

Apostas. Os defensores da candidatura de Paulo Skaf (PMDB) ao governo de São Paulo torcem pela escolha de Serra. Acham que, se Doria for a opção, as chances do presidente da Fiesp diminuem.

Lá na frente. Seguro de que estará no 2.º turno, o presidenciável Jair Bolsonaro tem dito a empresários que, se não quiserem votar nele na primeira fase da disputa, que o façam na segunda para “combater a esquerda e salvar o Brasil”.

Dê as ordens. Bolsonaro desistiu de criticar eventual parceria entre a Embraer e a Boeing após consultar o economista Paulo Guedes, que escalou para ser seu ministro da Fazenda.

Disciplinado. Como prova de que não fará loucuras na economia se eleito, Bolsonaro mostrou a um empresário o WhatsApp que trocou com Guedes com o tema sobre o qual foi orientado a não se manifestar. No que depender do presidente Michel Temer o negócio da Boeing com a Embraer não sai durante seu governo.

Sinais Particulares: Michel Temer, presidente da República; por Kleber Sales

Queda livre. Preso na última semana, Paulo Maluf viu o capital político desmoronar nas últimas três eleições. De um patamar de 740 mil votos em 2006, caiu para 497 mil (2010) e chegou a 250 mil (2014). O PP estima que, em 2018, não passaria dos 100 mil.

Herança? A avaliação interna de setores do partido é de que os votos de Maluf vão se pulverizar, sem transferência automática para outros candidatos.

CLICK. A última postagem de Maluf nas redes, antes de ser preso, foi um cartão de Natal no qual diz que “é tempo de transformar o mundo em um lugar melhor”.

Foto: Instagram Paulo Maluf

La garantía soy yo. Com um crescimento de 4,8% este ano, o Paraguai está podendo. Decidiu bancar a construção de duas pontes na fronteira com o Brasil em Porto Murtinho (MS).

Para o Pacífico. Os paraguaios estão animados com convênios assinados com os governos de MT e MS, para que carregamentos de soja passem pela hidrovia Paraná-Paraguai. Essa rota promete ter frete mais barato. O transporte por rio é mais em conta.

A SEMANA! 

Terça-feira, 26
Presidente Michel Temer volta ao Palácio do Planalto
Temer se reúne com o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, para tratar da reforma da Previdência.

Terça-feira, 26
Tesouro divulga Resultado Primário do Governo Central
A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, comenta os resultados referentes ao mês de novembro.

COM NAIRA TRINDADE, LEONEL ROCHA E RAFAEL MORAES MOURA. COLABOROU LU AIKO OTTA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão