Governo tenta emplacar reajuste no Auxílio Brasil que boicotou há dois meses

Governo tenta emplacar reajuste no Auxílio Brasil que boicotou há dois meses

Julia Lindner

23 de junho de 2022 | 12h35

Hoje empenhado em elevar o programa Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, o governo Jair Bolsonaro não pensava o mesmo há cerca de dois meses atrás. Em abril, o Palácio do Planalto articulou com Arthur Lira (PP-AL) para barrar o aumento na Câmara. Na época, Lira afirmou que o valor atual era “suficiente” e “responsável”.

Como a Coluna revelou ontem, governistas atuam para inserir um novo reajuste do Auxílio Brasil na PEC que tramita no Senado sobre compensações aos Estados pela redução do ICMS.

Deputado João Roma (PL-BA) foi contra elevar benefício em abril. Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Ex-ministro da Cidadania, o deputado João Roma (PL-BA), que foi relator da Medida Provisória (MP) que tornava o programa social permanente, também foi contra elevar o benefício em abril. Na ocasião, o plenário barrou emendas da oposição que faziam sugestões neste sentido.

“Quanto às demais emendas, compreendemos que elas acarretam aumento de despesas públicas, sobretudo aquelas que propõem o aumento do valor do benefício extraordinário“, disse Roma, em 27 de abril, no plenário da Câmara.

“Tais emendas nos causam preocupação, pois sabemos que, em ano eleitoral, é proibido ao Presidente da República conceder benefícios sociais que já não estejam autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior”, acrescentou o ex-ministro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.