Governo teme votação ‘no susto’ da reforma tributária

Governo teme votação ‘no susto’ da reforma tributária

Coluna do Estadão

03 de dezembro de 2020 | 05h00

Rodrigo Maia. FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Apesar de Rodrigo Maia afirmar que já obteve os 320 votos necessários para aprovar a reforma tributária, o relatório de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), até onde se sabe, ainda não foi apresentado a ninguém, nem mesmo ao Planalto, com quem ele se reuniu semana passada. Maia tem sido aconselhado por aliados a colocar para votar logo o texto. Governistas, porém, acham pouco provável que ele consiga. Temem, entretanto, uma votação e aprovação “no susto” antes do recesso, dia 22. Seria uma demonstração imensa de força do presidente da Casa.

Chapéu. Pela primeira vez em meses, o Congresso esteve ontem mais movimentado. O motivo? Passado o período eleitoral, parlamentares foram aos ministérios para destravar o imenso volume de emendas paradas (durante a disputa eleitoral, não pode haver repasses) e deram uma passada nos gabinetes.

Cortejado… O bloco do PSL, PROS e PTB é hoje objeto de desejo na disputa pela sucessão de Maia (DEM-RJ). Por ora, está mais perto do atual presidente da Casa, caso ele consiga mudar as regras vigentes e disputar a reeleição.

…por todos… Apesar de serem apenas 62 deputados, a expectativa é de efeito manada. Aliados de Maia acreditam que PSD e PL, receosos de ficarem fora das “pedidas” na Mesa (escolha de postos na Casa), embarcarão se o bloco liderado pelo PSL fechar com o presidente da Câmara.

…os lados. No partido de Luciano Bivar (PSL), se ele não for candidato a presidente, a bancada espera ficar com a primeira secretaria, que tem orçamento próprio. Com maior número de deputados, o PSL tem preferência na escolha.

Fechamento. O PT discutirá na semana que vem, no Diretório Nacional, a posição do partido em relação à reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado. A tendência é de a sigla se declarar contrária a questão.

Ou seja. A expectativa é de que os petistas sigam a orientação do partido no caso de uma votação pela mudança dos regimentos das Casas. Mas, na eleição para a presidência em si, lembram que a decisão de cada um é secreta.

Xi… Do presidente do Conass, Carlos Lula, sobre o plano de vacinação apresentado pelo ministro Eduardo Pazuello: “Poderia ter sido mais eficaz se tivesse apostado em mais de uma vacina, ao invés de ficar apenas torcendo pela da AstraZeneca. Agora, é redução de danos, fazer o máximo com o que se tem”.

Próxima temporada. Dois dos assuntos mais espinhosos da Segunda Turma do Supremo, a prisão domiciliar de Fabrício Queiroz e a suspeição de Sérgio Moro no caso do triplex do Guarujá, ficaram para 2021.

CLICK. Eleita vereadora em São Paulo, Cris Monteiro (Novo) não usou dinheiro público na campanha e anunciou que abrirá mão de 50% da verba de seu futuro gabinete.

Coluna do Estadão

Diz aí. A Justiça Federal deu cinco dias para que o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, explique a retirada de nomes da lista de Personalidades Negras que integravam rol de homenageados.

SINAIS PARTICULARES.

Luciano Huck, apresentador de TV

Kleber Sales

Pneu furado? A possível união entre a “sensibilidade social” de Luciano Huck e o “liberalismo econômico” do DEM foi assim resumida por um astuto observador: será o encontro da “lata velha” com o touro de Wall Street. O quadro do apresentador ajuda gente humilde a reformar seus carros combalidos.

PRONTO, FALEI! 

Roberto Freire. FOTO: JF DIORIO/ESTADÃO

Roberto Freire, presidente do Cidadania: “Em vez de dizer o que está sendo e o que pode ser feito, buscando as alternativas existentes, pra garantir vacinação em massa, Pazuello está focado no que não pode. É um gestor medíocre. Na África, diz a Pfizer, usam recipientes pra armazenar vacina a -70°C. Trabalhe, ministro!”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.