Governo salva da degola estatal do trem-bala

Governo salva da degola estatal do trem-bala

Coluna do Estadão

12 de janeiro de 2019 | 05h00

A EPL, conhecida como a estatal do trem-bala, deve escapar da degola. No governo há quem ainda acredite no potencial da empresa criada por Dilma Rousseff com o pretexto de tocar o projeto de um trem-bala entre Rio e São Paulo, que nunca saiu do papel. Durante a campanha, o presidenciável Alvaro Dias (Podemos) defendeu sua extinção, pauta encampada pelo opositor Jair Bolsonaro. No período eleitoral, o presidente também disse que fecharia a EBC, que mantém a chamada “TV do Lula”, agenda também abandonada pelo seu governo.

Na fila. Até agora, está confirmada a extinção da Valec ainda no primeiro trimestre deste ano e há estudos sobre a liquidação da Ceitec, a estatal que produz chip de boi. Informações antecipadas pelo Broadcast.

Passo. Sérgio Moro (Justiça) não vai se envolver na disputa pelas presidências da Câmara e do Senado. Nome preferido do grupo do ministro para a PGR, o procurador Deltan Dallagnol tem feito campanha contra a candidatura de Renan Calheiros (MDB).

Caça-votos. Apesar de querer distância da articulação política, Moro admite a interlocutores ir para a linha de frente das negociações com o Congresso em defesa do seu projeto anticrime. O texto, em fase final de redação, vai incluir a possibilidade de prisão após segunda instância.

Revoada tucana. Ao assumir a Secretaria da Previdência, Rogério Marinho entregou ao PSDB uma carta solicitando licença temporária do partido. Decidiu se afastar até que a legenda defina se apoiará ou não o governo Bolsonaro.

#ficaadica 1. Em livro impresso pela gráfica do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) faz questão de lembrar que foi ele quem criou o Coaf, quando ministro da Justiça. O órgão identificou a movimentação financeira atípica do ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

#ficaadica 2. Numa tentativa de se aproximar do governo, Renan tem destacado o trecho: “Só uma coisa não pode ocorrer com o Coaf, é a sua utilização política”. O canal para chegar à família é o empresário Paulo Marinho, eleito suplente de Flávio no Senado.

SINAIS PARTICULARES — A SÉRIE

OS HOMENS DE GUEDES

Marcos Troyjo, secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais; por Kleber Sales

Econômico. A primeira licitação feita pelo Planalto sob o comando de Jair Bolsonaro será para a reposição de “materiais de consumo”, como 50 fones de ouvido, 300 pen drives, 50 carregadores de celular, diversos tipo de alicate e até oito escadas de alumínio. Sairá por R$ 64 mil.

Piti! Um parlamentar que presenciou o momento em que alguns ministros disseram que não apresentariam as prioridades de suas pastas na primeira semana de governo relatou que Onyx Lorenzoni não ficou nada satisfeito.

CLICK. O Diário Oficial de São Paulo retificou a nomeação de Rossieli Soares como secretário de Educação do Estado após a publicação tratá-lo como “secretária”.

Reprodução/Diário Oficial

Intensivão. O embaixador da China no Brasil reuniu-se também com os ministros da Secretaria de Governo, Santos Cruz, e da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno. Na quinta, ele esteve com o general Augusto Heleno (GSI). Na agenda oficial do chanceler Ernesto Araújo não consta nenhum encontro dos dois.

Erramos. Diferentemente do que foi informado ontem na Coluna, o embaixador da China no Brasil é Yang Wanming, e não Li Jinzhang, que deixou o posto na segunda-feira.

PRONTO, FALEI!

“Acho que nós temos que acordar, dar uma sacudida de coqueiro e resolver isso de uma vez por todas”, DO EX-PRESIDENTE DO BANCO CENTRAL, ARMÍNIO FRAGA, em evento do BC no RJ, referindo-se ao crescimento da economia.

COM REPORTAGEM NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM ANNE WARTH E ADRIANA FERRAZ

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao