Governo cede e elabora emendas a senadores

Governo cede e elabora emendas a senadores

Coluna do Estadão

24 de setembro de 2019 | 05h00

REUTERS/Adriano Machado

O governo decidiu ceder às pressões dos senadores e está em fase final a elaboração de um novo pedido de liberação de crédito suplementar (PLN) para pagar emendas parlamentares. A articulação trabalha a toque de caixa: quer a medida pronta antes da sessão do Congresso, convocada para esta tarde. Enciumados com a liberação de emendas aos deputados, pela reforma da Previdência, os senadores exigem reciprocidade para votar a segunda leva de “pagamento” aos deputados (PLN 18, de R$ 3 bilhões) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Eles sim. É no Senado que estão hoje as pautas mais caras ao Planalto: Previdência, indicação de Augusto Aras e a de Eduardo Bolsonaro a Washington.

Aí não. Senadores pedem R$ 4 bilhões, mas devem receber cerca de R$ 2 bilhões.

Parado. Se o “agrado” aos senadores não chegar hoje, corre risco de a sessão do Congresso cair. De novo. Parlamentares têm ainda de analisar vetos importantes, como o das bagagens.

Poderes… O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), que presidiu a Comissão Especial da Previdência na Câmara, fez um levantamento das iniciativas enviadas pelo Executivo ao Congresso neste ano: 20 MPs, 2 PECs, 12 PLs, 4 PLPs e 298 decretos.

…em harmonia? “Isso demonstra uma tentativa antidemocrática de o Executivo usurpar os poderes do Legislativo”, disse Ramos.

Romaria. Augusto Aras ainda conversa hoje com dois senadores, completando 78 dos 81 – até o PT foi contemplado numa visita ao gabinete da liderança. Depois, planeja repousar. Quer chegar à sabatina amanhã com aparência descansada.

Mudança… Antes da morte da menina Ágatha Félix, Sérgio Moro estava convencido de que conseguiria manter a excludente de ilicitude na análise do pacote anticrime no plenário.

…de cenário. O ministro costurou pessoalmente um acordo com a bancada feminina. Para garantir os 76 votos delas, topou incluir artigo para deixar claro que o mecanismo não poderia ser aplicado em casos de violência doméstica.

CLICK. Nos dias que antecederam a Assembleia-Geral da ONU, a sede da entidade, em NY, esteve iluminado à noite com um efeito lembrando geleiras derretendo.

Paulo Beraldo/Coluna do Estadao

Fim dos… Ricardo Lewandowski deu seguimento a uma ação do MBL, de Rubens Nunes, para extinguir completamente o auxílio-moradia na magistratura.

…penduricalhos. O ministro do STF enviou o caso para a Justiça do DF, a quem compete analisar processos envolvendo o CNJ. O conselho, no ano passado, restringiu para alguns poucos casos o auxílio.

Meio cheio. Antes de a Justiça retirar da pauta o processo de Deltan Dallagnol no Conselho Nacional do Ministério Público hoje, o relator do caso, Bandeira de Mello, já havia determinado o mesmo.

Meio vazio. A nova composição do CNMP, com a saída de alguns conselheiros, será menos lavajatista.

SINAIS PARTICULARES.

Salim Mattar, ecretário de Desestatização do Ministério da Economia

Kleber Sales

Tô nem aí. O secretário de Desestatização da Economia, Salim Mattar, afirmou em palestra recente que sofreu bullying de empresários, favoráveis ao então candidato Geraldo Alckmin, quando entrou na canoa de Bolsonaro. Disse não se importar. “Eu quero é saber de resultados.”

PRONTO, FALEI!

Antônio Carlos Costa, pastor e fundador da ONG Rio de Paz: “O projeto político de Wilson Witzel (governador do Rio) é oposto à fé cristã. Eu não posso associar o evangelho ao discurso de ‘atirar na cabecinha’.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM PAULO BERALDO E GREGORY PRUDENCIANO.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: