Governistas tentam enterrar a CPI da Lava Toga

Governistas tentam enterrar a CPI da Lava Toga

Coluna do Estadão

26 de março de 2019 | 05h00

Plenário do Senado. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Está em curso no Senado uma força-tarefa de governistas para barrar a instalação da CPI da Lava Toga. Eles conversaram com os parlamentares que subscreveram o requerimento com o objetivo de retirar cinco assinaturas. Dos 29 nomes, dois são de senadoras do PSL, alvo preferencial da blitz. Para frear as investigações, é necessário que apenas três senadores saltem do barco. A estratégia de convencimento, até o momento, segundo relatos, tem sido dizer que quem procura acha e, se achar agora, trava o País, inclusive a reforma da Previdência.

Solução. Davi Alcolumbre já tem em mãos parecer jurídico da consultoria do Senado que aconselha a não levar adiante a CPI. Mas a retirada de nomes o pouparia do desgaste de negar a instalação do colegiado.

Respira… Na ressaca das rusgas entre Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia, o Congresso deve evitar a análise do decreto que isenta estrangeiros de vistos. Segundo líderes, o presidente da Câmara não quer, por ora, colocar álcool na fogueira.

…fundo. O líder do governo, Major Vitor Hugo, disparou ligações para sentir a temperatura e chegou à conclusão de que o ideal para o governo é não votar o decreto. Uma derrota interferiria nas relações com os EUA.

Bola pra frente. Maia ouviu de um líder que a batalha da narrativa foi perdida por ele para Jair Bolsonaro. Apesar de covardes, argumentos na linha “políticos são bandidos” ainda são de fácil compreensão, disse.

Próximo round. A segunda etapa da campanha da nova Previdência que vai ao ar nesta semana terá como foco os militares. Seguirá o mesmo conceito de que a reforma é para todos.

Com a palavra. O advogado Thiago Machado diz que compareceu à PF quinta-feira passada, logo após a prisão de Michel Temer, “por dever de ofício” e que só conversou brevemente com a imprensa “por respeito”.

In loco. A presença de Machado, que integra a defesa do ex-presidente, no local foi contestada por parte da equipe de advogados de Temer porque, segundo ela, Machado não atua no caso da prisão (leia esclarecimento aqui).

SINAIS PARTICULARES
Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Uma coisa… Entre os compromissos que o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, tem nos Estados Unidos está a assinatura do acordo sobre a base de Alcântara, no Maranhão.

…de cada vez. O ministro não acompanhou Bolsonaro na recente viagem aos EUA porque ficou no Brasil resolvendo o pepino da reforma dos militares.

CLICK. A ministra Damares Alves anuncia amanhã auditoria nas contas da Comissão de Anistia. Um dos itens investigados será um HD que custou R$ 6 milhões.

FOTO: MDH/DIVULGAÇÃO

Com a palavra. A assessoria de Lula diz que a liberação da obra no sítio dele em São Bernardo do Campo “é só uma busca do ex-presidente pelo direito de construir no local”, mas que “não há hoje nenhum plano” nesse sentido.

Alvará 1. Segundo a assessoria de Lula, havia “abuso de autoridade municipal, que proibiu a obra há mais de um ano sem qualquer motivo justo”. A prefeitura nega. O sítio fica nas margens da Represa Billings.

Alvará 2. A licença para as obras no local, que pode abrigar Lula caso ele consiga o direito à prisão domiciliar, como revelou a Coluna, foi expedida pela Secretaria de Obras, sem interferência direta do prefeito Orlando Morando (PSDB).

PRONTO, FALEI!

Wellington Roberto. FOTO: LUCIO BERNARDO JR./CÂMARA DOS DEPUTADOS

Wellington Roberto, líder do PR na Câmara: “No dicionário, você já viu escrito ‘nova política’ e ‘velha política’? No meu, só tem política”, sobre as declarações de governistas de uma suposta nova política

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao