Governadores, de novo, no alvo das fake news

Governadores, de novo, no alvo das fake news

Coluna do Estadão

04 de março de 2021 | 05h00

Foto:Nilton Fukuda/Estadão

Equipes de comunicação de governadores identificaram uma “segunda onda de ataques” coordenados contra eles nas redes sociais. Intenso no começo da pandemia, o movimento arrefeceu no segundo semestre. Porém, foi retomado na segunda quinzena de fevereiro, quando Jair Bolsonaro colocou a culpa pelo aumento de preço dos combustíveis nos governadores. Desde o domingo, a onda ganhou contornos de tsunami quando o presidente divulgou informações no mínimo equivocadas sobre repasses federais ao combate à covid-19 nos Estados.

Déjà… A maior parte das fake news foi a respeito de lockdowns: no Ceará, um “decreto” com a logo do governo do Estado baixava a medida por 40 dias.

…vu. No Maranhão e no Piauí, um mesmo texto sobre supostas medidas de restrição (inclusive com multa de R$ 180 para pessoas físicas) teve de ser desmentido pelo governo.

Gabinete? O tema foi debatido por secretários estaduais de Comunicação do Nordeste: acreditam em uma ação coordenada.

Alerta. Em São Paulo, a Casa Militar monitora as ameaças ao governador João Doria. Apesar de serem frequentes, pioraram nos últimos dias em redes sociais e até no WhatsApp particular dele. A “agravante” foi o anúncio da fase vermelha no Estado.

Sem tempo. A secretária de Comunicação do Rio Grande do Norte, Maria da Guia Dantas, disse que a situação é “surreal”: “O Brasil com tantas mortes e, desde o final de semana, estamos gastando o precioso tempo da comunicação oficial para esclarecer sobre informações distorcidas”.

Fecha. Aliás, até sexta-feira, 5, Ceará e Rio Grande do Norte devem apertar medidas restritivas, mas sem decretar (ainda) lockdown.

Pinóquio. Bolsonaro, de novo, mentiu. Desta vez, mentiu sobre a vacinação. O Brasil está longe de ser exemplo para o mundo.

SINAIS PARTICULARES.
Eduardo Pazuello, ministro da Saúde

Ilustração: Kleber Sales

Rolando Lero. Eduardo Pazuello adora gerúndio, planilhas e cronogramas. E assim vai enrolando alguns parlamentares e Ministério Público, a turma do “me engana que eu gosto”.

CLICK. Na reunião da cúpula do Ministério da Saúde com a Pfizer (na tela), em que discutiram a compra de vacinas, uma ausência salta aos olhos: a de máscaras.

Divulgação

Motivos. A rendição de Bolsonaro às queixas de grupos de caminhoneiros, principalmente em relação ao preço do óleo diesel, foi vista no Ministério de Infraestrutura como “política”.

De olho. A pasta monitora diariamente a categoria e, desde o início do ano, não vê qualquer risco de paralisação real de caminhoneiros autônomos, embora perceba algumas insatisfações pontuais.

Fogo de palha. Alguns grupos chegaram a ensaiar protestos no Rio, em Minas e em Pernambuco na quarta-feira, 3, por causa do reajuste do piso mínimo do frete rodoviário, que ficou abaixo da expectativa, mas nenhum deles perdurou.

Bate em… Para compensar ter zerado o PIS/Cofins sobre diesel e gás, o governo federal aumentou imposto sobre os bancos e acabou com o Regime Especial da Indústria Química.

…em Francisco? Industriais paulistas querem saber se o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que recorreu contra o governo de São Paulo por medida semelhante, fará o mesmo com o amigo Jair Bolsonaro.

PRONTO, FALEI!

Foto: Valéria Gonçalves/Estadão

Paulo Hartung, ex-governador do Espírito Santo: “Governar é tomar decisões. É arbitrar. Quem não quer contrariar interesses não governa”, sobre grave momento da pandemia e discursos econômicos populistas.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonarocovid-19fake newsestados

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.