Governador bolsonarista abriga aliados de candidato do PT ao Senado no Rio

Governador bolsonarista abriga aliados de candidato do PT ao Senado no Rio

Mariana Carneiro, Julia Lindner e Gustavo Côrtes

30 de maio de 2022 | 05h01

Um dos pivôs da divergência entre PT e PSB no Rio, o candidato ao Senado André Ceciliano (PT) mantém aliados na gestão do governador bolsonarista Cláudio Castro (PL), que disputa a reeleição com apoio do Palácio do Planalto. O secretário de Obras, Rogério Brandi, foi indicado pelo seu antecessor, o deputado estadual Max Lemos (PROS), cabo eleitoral do petista no Estado. Em 27 de abril, durante evento em Paracambi, reduto eleitoral de Ceciliano, Lemos anunciou obras ao lado do governador e do atual secretário. Nas redes, disse que o Rio “vive um novo momento, fruto do trabalho de Cláudio Castro em parceria com André Ceciliano”.

Ao lado do deputado estadual Max Lemos (PROS-RJ) e do secretário de Obras, Rogério Brandi, o governador do Rio, Cláudio Castro (PL), entrega cheque simbólico de R$ 13 milhões para Paracambi.

LAÇOS. A secretária de Cultura, Danielle Barros, é irmã do deputado federal Áureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), um dos chefes do bloco batizado de Castro-Lula, que prega a aliança velada do governador bolsonarista com o PT.

 LAÇOS 2. Em 29 de abril, Danielle anunciou investimento de R$ 6 milhões na revitalização do Centro Histórico de Vassouras, cujo prefeito, Severino Dias (União), participou do lançamento da pré-candidatura de Ceciliano, no dia seguinte. 

CONHEÇO?. À Coluna, Ceciliano negou ter ligação com Danielle e disse que não conhece Brandi. Já o secretário de Obras afirmou que tem uma “relação de amizade de anos” com o petista e que “por conta disso, tem procurado atender a todos os pleitos do parlamento estadual”. Procurada, Danielle não se manifestou.

É O CENTRO. A aproximação de Ceciliano e Castro incomoda Marcelo Freixo (PSB), que conta com o apoio do PT. Já entre petistas a leitura é a de que o elo com Castro amplia o eleitorado de Lula no Rio para além da esquerda, o que não é um mau negócio.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Cláudio Castro, governador do Rio (PL)

PRONTO, FALEI. Rodrigo Agostinho, deputado federal (PSB-SP)

O Márcio França foi muito criticado pelo PT por ser vice do Geraldo. Hoje, o Geraldo é vice do Lula. Não acho que o Márcio deva ceder. Tem que disputar a eleição.”

CLICK. Rodrigo Garcia, governador de São Paulo (PSDB)

Ao lado de parlamentares e do secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, visitou Santa Casa de Fernandópolis com o prefeito André Pessuto (União).

Reprodução

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.