Gilmar Mendes nega liminar para soltar Paulo Vieira de Souza

Gilmar Mendes nega liminar para soltar Paulo Vieira de Souza

Andreza Matais

20 de abril de 2018 | 19h51

Foto: Ed Ferreira/Estadão

O ministro Gilmar Mendes negou pedido de liminar da defesa de Paulo Vieira de Souza e manteve a prisão preventiva do ex-diretor de engenharia do Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.). Ele também indeferiu pedido para que o caso suba para o Supremo, saindo da primeira instância. Na decisão, o ministro do Supremo pediu mais informações à Procuradoria da República de São Paulo sobre o processo, o que pode levar a novo entendimento depois dos esclarecimentos.

Acusado de ser operador do PSDB paulista, Paulo Vieira foi preso no último dia 6 de abril sob acusação de desvios de recursos, em espécie e em imóveis quando atuava como diretor da Dersa. Ele ocupou o cargo público nos governos José Serra e Geraldo Alckmin.

A força-tarefa da Operação Lava Jato acusa o ex-diretor por desvios de R$ 7,7 milhões para a realização das obras do trecho sul do Rodoanel, o prolongamento da avenida Jacu Pêssego e a Nova Marginal Tietê, na região metropolitana de São Paulo. (Andreza Matais)

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.