Gilberto Kassab garante manter candidatura do PSD para acalmar bancada

Gilberto Kassab garante manter candidatura do PSD para acalmar bancada

Camila Turtelli e Matheus Lara

17 de fevereiro de 2022 | 05h00

O presidente do PSD, Gilberto Kassab. Foto: Amanda Perobelli/Estadão.

Após um período mais recluso e em recuperação da covid-19, Gilberto Kassab participou na noite de terça, 15, de um jantar com a bancada federal de seu PSD em Brasília, oferecido pelo deputado Marco Bertaiolli (SP). No encontro, o dirigente disse que o partido vai manter seu plano de ter uma candidatura própria ao Planalto. O plano “A” ainda é o senador Rodrigo Pacheco. “A bola está com ele”, disse Kassab. As falas do ex-ministro da Ciência foram bem recebidas pelos deputados. Eles acreditam que a estratégia dá tranquilidade para negociar palanques regionais, já que apoiar um dos polos da disputa eleitoral, Bolsonaro ou Lula, poderia comprometer apoio em Estados, como Bahia e Paraná.

CORUJA. Nos bastidores da campanha para a reeleição de Bolsonaro, a avaliação é que Kassab tenta filiar Eduardo Leite (PSDB) numa estratégia para que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reveja sua aliança com Geraldo Alckmin. No quarto andar do Palácio do Planalto, o apelido de Kassab é “coruja”: enxerga no escuro.

APRENDIZ NA MIRA. O deputado Felipe Rigoni (PSL-ES) confirmou à Coluna que o governo quis mudar o programa Jovem Aprendiz para que empresas pudessem contratar sem a exigência de que todos estivessem na escola. “Queria mudar, sim. Mas nós não permitiríamos”, disse Rigoni, presidente da comissão sobre a proposta.

SEM RESPOSTA. O ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni, foi convidado pelo relator da comissão, Marco Bertaiolli (PSD-SP), para falar sobre o programa. Não respondeu.

SEM NINGUÉM. O PT não terá candidato próprio para o governo de Minas Gerais, afirmou o líder do partido na Câmara, Reginaldo Lopes. A sigla estava dividida e uma ala, apoiada pelos deputados Patrus Ananias, Rogério Correia e Leonardo Monteiro, já colocava o prefeito de Teófilo Otoni, Daniel Sucupira, na disputa.

CLICK. Arthur Lira, presidente da Câmara (PP-AL)

Ao redor do presidente da Casa, parlamentares da bancada feminina cobraram que seja pautado projeto que regulamenta a telemedicina no País.

DEBATE. Sérgio Moro (Podemos), Simone Tebet (MDB) e Felipe d’Avila (Novo) vão abrir uma série de encontros do Grupo Lide com pré-candidatos à Presidência em almoço-debate amanhã, 18, em São Paulo.

EITA. Ao defender o comentarista Adrilles Jorge nas redes, a procuradora Thamea Danelon chamou a atenção do Ministério Público Federal, que vem estranhando suas últimas posições, inclusive sobre exigência de vacina. A expectativa é de que ela troque o MP por uma candidatura à Câmara.

DE MUDANÇA. O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), começa a entrar em pré-campanha. Ele se prepara para atravessar a rua e tentar garantir uma vaga no prédio do Senado, mesmo ainda não tendo definido para qual partido irá.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Hamilton Mourão, vice-presidente da República

HOJE, NÃO. No Progressistas, as portas se fecharam para Mourão porque ele não quer concorrer pelo Rio de Janeiro e tende a disputar a vaga no Senado pelo Rio Grande do Sul.

PRONTO, FALEI! Simone Tebet, senadora (MDB-MS)

“PGR representa o MP, órgão máximo de fiscalização e controle, mas simplesmente esquece seu papel, atribuição, e vai ser mero servo do presidente da República.”

COLABORARAM ELIANE CANTANHÊDE E VERA ROSA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.