Genial/Quaest: Terceira via mantém patamar inferior a 10% das intenções de voto

Genial/Quaest: Terceira via mantém patamar inferior a 10% das intenções de voto

Coluna do Estadão

09 de fevereiro de 2022 | 07h30

O presidenciável Sérgio Moro (Podemos). Foto: Dida Sampaio/Estadão.

Nova rodada da pesquisa Genial/Quaest de intenção de voto para a disputa presidencial de 2022 mostra um cenário ainda desafiador para a chamada “terceira via”.

No levantamento divulgado nesta quarta, 8, nem Sérgio Moro (Podemos), nem Ciro Gomes (PDT) aparecem com dois dígitos das intenções de voto, patamar que os ambos já tinham alcançado em meses anteriores.

Em diferentes cenários da pesquisa estimulada, Lula (PT) aparece com 45% a 47%, seguido por Jair Bolsonaro (PL), que tem 23% a 26%. Moro e Ciro registraram 7% a 9% das intenções de voto. André Janones (Avante) e João Doria (PSDB) registraram 2% a 3%. Simone Tebet (MDB), 1%. Rodrigo Pacheco (PSD) e Felipe d’Avila (Novo) não pontuaram.

Veja os cenários abaixo:


A polarização entre Lula e Bolsonaro se mostra ainda mais evidente quando os entrevistados são provocados a responder se pretendem ou não mudar sua escolha. No total, 58% dos eleitores dizem que já têm candidato em definitivo e 40% afirmam que ainda podem mudar de ideia. Entre os apoiadores de Lula, 74% dizem que é a escolha final, contra 25% que ainda não tem certeza. Entre os apoiadores de Bolsonaro, esse número é de 65% de convictos e 35% que não se mostram tão certos. Já na terceira via, 53% dos eleitores de Ciro e 70% dos de Moro consideram votar em outros candidatos.

Na série história da Genial/Quaest, Lula chegou a aparecer com 48% na pesquisa de novembro de 2021, quando Bolsonaro teve seu pior desempenho, com 21%. O atual presidente chegou a aparecer com 28% em julho e agosto do ano passado. Entre os nomes da terceira via, Ciro Gomes chegou a aparecer com 11% em julho e em outubro; Moro alcançou esta mesma porcentagem em julho.

Veja a série de pesquisas da Genial/Quaest:

A pesquisa Genial/Quaest fez duas mil entrevistas entre 3 e 6 de fevereiro  e tem margem de erro de dois pontos porcentuais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.