Frente de esquerda, por ora, só no discurso

Frente de esquerda, por ora, só no discurso

Coluna do Estadão

06 de julho de 2020 | 02h00

Nilmário Miranda

A decisão do PT de lançar candidato a prefeito de Belo Horizonte é mais um indicativo da dificuldade da esquerda em construir uma frente para peitar Jair Bolsonaro neste ano e em 2022. Na capital mineira, os petistas terão Nilmário Miranda na disputa pela sucessão de Alexandre Kalil. Com isso, PSOL e PCdoB também prometem seguir o caminho das candidaturas próprias. “Não há amadurecimento para uma frente ampla de esquerda nos municípios. Nossa candidatura vai até o final”, disse à Coluna Wadson Ribeiro, pré-candidato do PCdoB em BH.

Ainda dá? Nilmário, ex-ministro de Lula, ainda sonha com uma composição. Porém, a direção nacional do PT reconhece a dificuldade nas negociações.

Cadê? Em São Paulo, onde o PT também bancou candidatura própria, de Jilmar Tatto, a pista da esquerda está congestionada com os carros de Marta Suplicy, Boulos e Márcio França. Enquanto isso, os 15% de eleitores fidelíssimos a Jair Bolsonaro ainda procuram uma alternativa.

Ideia. Com a volta de sessões presenciais no radar, o Congresso Nacional estuda uma espécie de “drive-thru” de votação para parlamentares idosos e com doenças crônicas. A ideia é que eles consigam votar sem ter de ir até o plenário, podendo fazê-lo da chapelaria da Casa (local onde chegam os carros).

Vem aqui. O PSD, de Gilberto Kassab avança para aumentar sua bancada no Senado, a segunda maior da Casa. Filiou recentemente Vanderlan Cardoso e ganhou Carlos Fávaro (MT), que assumiu a vaga de Juíza Selma. O plano é se cacifar em busca de mais espaço na Esplanada ministerial.

Na garagem. A Frente Nacional de Prefeitos tem defendido que parte dos recursos destinados ao combate contra covid-19 subsidie o transporte municipal, que sofreu forte queda na demanda, principalmente nas grandes cidades.

CLICK. Paulo Ganime (Novo), com Sara Graziela, em passeio no final de semana no Rio, ambos usando máscaras: “Volta das atividades, sim, chutar o balde, não”.

Coincidência? De acordo com a frente, seriam necessários R$ 5 bilhões, valor igual ao negociado pelo Centrão no esteira da votação do adiamento das eleições. O grupo diz que o recurso será usado para o enfrentamento da doença.

Boa ação. O Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça, concedeu 372 certificados a empresas e instituições que contrataram cerca de 16.750 presos egressos do sistema prisional. Este é o terceiro ano do programa Selo Resgata.

De boa. O novo secretário de Segurança Pública do MJ, Carlos Paim, tem perfil discreto, sem conta em redes sociais nem contato com a bancada da bala. “Minha intenção é passar mais tempo com os atores que a gente tem de ajudar, fazer andar os pedidos, do que ficar em rede social mostrando o meu rosto, expondo meu dia a dia”, diz.

Psiu! Cotado para ocupar o cargo antes de Paim, o coronel Araújo Gomes, de SC, “perdeu” a chance fritado por “olavistas” nas redes sociais. Encontraram fotos dele com políticos considerados de esquerda.

Opa. Sobre eventual separação da Segurança Pública da Justiça, Paim evita comentários: “Questão do presidente e do ministro. Na Senasp, só tenho que trabalhar”. André Mendonça é contrário à mudança no momento.

PRONTO, FALEI!
João Campos
Deputado federal (PSB-PE)

“É muito triste o que está acontecendo. Até a gente tinha esperança que desse certo, para a educação não ficar sangrando”, sobre a recusa de Feder ao cargo de ministro da Educação.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANNA HOLANDA, MARIANA HAUBERT E PEDRO VENCESLAU. COLABOROU DANIEL WETERMAN.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: